EUA: Senador quer estudar impacto de jogos violentos sobre as crianças

Por Redação | 12 de Janeiro de 2013 às 14h32

O senador norte-americano Jay Rockefeller, pelo estado de West Virginia, declarou que planeja incentivar o estudo do impacto que jogos eletrônicos violentos podem gerar em crianças. A discussão surgiu após o recente tiroteio na escola infantil Sandy Hook, em Connecticut.

"Estamos todos focados em proteger nossas crianças. Em momentos como este, precisamos ter uma visão abrangente de todas as formas que podemos usar para manter nossos filhos em segurança. Há muito tempo eu manifesto uma grande preocupação com o impacto sobre nossos filhos do conteúdo violento que eles vêm e interagem todos os dias", afirmou Rockfeller em nota oficial. "As recentes decisões judiciais mostram que algumas pessoas ainda não entenderam. Elas acreditam que os jogos violentos não são mais violentos para mentes jovens do que os clássicos desenhos animados de sábado de manhã. Mas eu irei ligar para a Comissão Federal de Comércio e para a Comissão Federal de Comunicações para expandirem seu trabalho nesta área".

Segundo o Digital Trends, ao longo dos últimos 20 anos, um movimento com a presença de senadores busca regular a venda de jogos eletrônicos com conteúdos violentos e de apelo sexual no país. No entanto, os jogos de videogame se tornaram uma forma de entretenimento para diversas idades o que promoveu a extinção do movimento, que parece ter sido reavivado pela ideia de Rockefeller.

Crianças videogame

Estudos mostram que jogos eletrônicos melhoram o racicíonio lógico de crianças

Especialistas acreditam que a tentativa do senador de culpar os jogos eletrônicos por casos de violência social e gratuita são mais uma tentativa de promover um pensamento em um momento de insegurança. Em contrapartida, pesquisadores da University Western Ontario, em Londres, afirmam que os games tornam o raciocínio lógico das crianças melhor, ensinando-as até mesmo a tomarem decisões corretas para evitar brigas e outros comportamentos violentos.

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.