Guia: os melhores jogos de 2013

Por Felipe Demartini

2013 pode ser considerado um ano de transição. Foi quando, após um dos mais longos ciclos de vida da história dos video games, o PlayStation 3 e o Xbox 360 deixaram de ser o centro das atenções para serem substituídos por seus irmãos mais novos e muito mais poderosos: o Xbox One e o PS4.

Isso, porém, não significa que aqueles que investiram suas valiosas notas em consoles da, agora, geração passada ficaram desatendidos. Muito pelo contrário. 2013 também foi o ano em que as plataformas atuais atingiram o seu ápice e entregaram experiências que vão muito além de um simples entretenimento com o controle na mão.

Pelo menos, é isso que mostram a maioria esmagadora dos melhores games do ano, eleitos pela crítica especializada ou pelo público. São propostas inovadoras, franquias antigas repaginadas ou novas ideias que deixaram, e ainda deixam, muita gente grudada na frente da TV por muitos dias.

Selecionar os melhores games do ano não é tarefa fácil e nem dá para usar uma única fonte para isso. Portanto, o Canaltech preferiu elencar os favoritos de 2013 em uma série de categorias, de forma a apresentar um quadro abrangente de tudo que realmente chamou a atenção pela qualidade. E acredite, mesmo com essa grande quantidade de títulos, muita coisa ainda acabou ficando de fora.

Os 10 melhores do ano, segundo o Metacritic

O Metacritic funciona desde 2001 como um agregador de análises. Falando não apenas de games, mas também de música, cinema e entretenimento em geral, o serviço reúne as notas dadas a cada obra por diversos meios de comunicação, além de contar com um espaço para avaliação dos fãs. A importância é tanta que até as desenvolvedoras de jogos levam a média do site em conta na hora de dizer se um game foi ou não bem-sucedido.

Conheça agora os dez jogos com maiores notas em 2013, de acordo com a crítica especializada:

Grand Theft Auto V (PS3, Xbox 360)

O novo episódio da controversa franquia da Rockstar chegou batendo recordes e ganhando prêmios por onde passa. São três personagens, uma história rica que envolve mundos bem diferentes e uma cidade aberta e livre, onde o jogador pode fazer, literalmente, o que quiser. Para muitos, o melhor jogo da saga e, com certeza, merecedor do título de Jogo do Ano.

The Last of Us (PS3)

Esse exclusivo para o PlayStation 3 levou a clássica história de um apocalipse morto-vivo a novos patamares por meio do enredo. A história de Joel e Ellie, que lutam para sobreviver em um mundo destruído, apresenta nuances ambíguas, personagens fortes e muitos questionamentos sobre humanidade e violência. É impossível não se envolver na aventura, que pode até arrancar algumas lágrimas.

BioShock Infinite (PS3, Xbox 360, PC)

Outro game que emocionou muita gente, BioShock Infinite traz uma distopia que parece futurista, mas na verdade, se passa no início do século. A bordo de uma cidade flutuante e isolada do resto do mundo, o jogador descobrirá segredos, se envolverá com a história da belíssima Elizabeth e perceberá que, sem dúvida alguma, nada é o que parece.

DEVICE 6 (iOS)

Não é comum ver jogos para celular ocupando postos tão altos na lista de melhores do ano, mas foi exatamente isso que a desenvolvedora Simogo conseguiu com DEVICE 6. Utilizando toques na tela e muita leitura, essa mistura de literatura com video game segue a história de Anna, uma moça que acorda em uma ilha e deve resolver enigmas para se salvar. É o tipo de jogo que não dá para explicar, e que deve apenas ser experimentado.

Fire Emblem: Awakening (Nintendo 3DS)

O título exclusivo para Nintendo 3DS chega para mostrar que os RPGs táticos continuam muito fortes nos consoles portáteis. Com um novo sistema de customização de personagens aliado à tradicional jogabilidade em que os combates acontecem em turnos, o título lembrou a todos que as aventuras de capa e espada ainda têm muito o que proporcionar.

Skylanders Swap Force (PS3, Xbox 360, Wii, Wii U, PS4, Xbox One, Nintendo 3DS)

Não é porque um game é focado no público infantil que ele não pode entreter também os adultos. A grande prova disso é Skylanders Swap Force, game do clássico herói Spyro que utiliza bonecos reais para criar personagens virtuais. Os monstrinhos podem ser totalmente customizados e, no video game, ganham novos atributos e poderes diferenciados.

Rayman Legends (PS3, Xbox 360, PC, Wii U, Vita, PS4, Xbox One)

O segundo capítulo da ressurreição dos games de plataforma promovida pela Ubisoft chega fazendo uso dos gráficos em alta definição. É, sem dúvida alguma, um dos jogos mais bonitos e artísticos de 2013, proporcionando uma jogabilidade extremamente divertida e que vai matar as saudades de quem cresceu jogando Mario e Sonic.

Asphalt 8: Airborne (iOS, Android, Windows Phone, PC)

Mais um game mobile a figurar entre os melhores títulos do ano, a série Asphalt já é tradição quando o assunto são as corridas nos celulares ou tablets. Trazendo provas cada vez mais insanas e veículos licenciados, o game também traz objetivos diferenciados durante as corridas e pistas cheias de rampas e saltos, que tornam tudo muito mais desafiador.

Ridiculous Fishing: A Tale of Redemption (iOS, Android)

Quem diria que um game de pesca acabaria entrando na lista de melhores do ano? O título independente da desenvolvedora Vlambeer coloca o jogador na pele de Billy, um pescador em busca da fama. Balançando o dispositivo para lá e para cá, você deve descer o anzol na água o máximo possível, pegar os peixes e, por último, atirar neles para ganhar pontos. Parece simples, mas você com certeza não vai conseguir largar o jogo.

Fez (PC, Xbox 360)

O consagrado game independente de Phil Fish foi lançado em 2012 exclusivamente para o Xbox 360, mas sua chegada também aos PCs, neste ano, o trouxe de volta às listas de melhores. O título, com grandes influências dos jogos antigos, bota o jogador no pele da única pessoa capaz de observar o mundo de forma tridimensional. O objetivo é coletar fragmentos de um artefato antes que o mundo seja completamente destruído.

Vale a pena jogar de novo

A chegada da alta definição também criou uma nova tendência no mundo dos games. Recentemente, se tornou comum a prática de desenvolvedoras relançarem games clássicos do passado com gráficos repaginados, matando a saudade dos gamers veteranos e apresentando títulos passados para as audiências de hoje.

Além disso, o fim da exclusividade de um game sempre é motivo de comemoração. Por mais que o lançamento apenas para o PlayStation 3 e Xbox 360 tenha sua série de motivos para o mercado, os jogadores querem ter opções, e sempre é bom ver aquele game que sempre se quis jogar chegando para o console que possuímos em casa.

Sendo assim, confira agora os melhores relançamentos ou remasterizações que chegaram às prateleiras em 2013:

Diablo III (PlayStation 3, Xbox 360)

O terceiro episódio de uma das maiores franquias da Blizzard chegou ao PC em 2012, cinco anos após o anúncio de seu desenvolvimento. E, em 2013, a aventura medieval macabra também foi lançada nos consoles, com uma jogabilidade totalmente refeita, algumas modificações, mas o mesmo desafio de sempre. E o melhor de tudo: completamente em português.

The Legend of Zelda: The Wind Waker HD (Wii U)

Há quem diga que não se mexe em time que está ganhando, mas a Nintendo provou que esse ditado está errado. Com a versão em alta definição daquele que é considerado um dos melhores títulos da franquia, a empresa impressionou ainda mais os donos de Wii U e obteve notas até mesmo superiores que as obtidas no lançamento original.

Fez (PC)

Fez

Já falamos deste game no primeiro segmento, mas aqui, vale a menção novamente. A obra independente, que inclusive foi um dos temas principais do documentário Indie Game: The Movie, se tornou o trabalho da vida de seu criador, Phil Fish, e em 2013 se tornou disponível para muito mais gente ao chegar no PC, deixando de ser um exclusivo do Xbox 360.

Flower (PlayStation 4)

Quando se fala em conceitos diferenciados e arte em forma de video games, a thatgamecompany é uma desenvolvedora que merece ser citada. Lançado em 2009 para o PS3, e neste ano como um dos games de lançamento do PS4, Flower coloca o jogador para controlar o vento e, dessa forma, interagir com as flores e o mundo ao redor. Uma narrativa construída sem falas nem texto, extremamente delicada e muito, muito bonita.

Não podemos esquecer de...

Existem também aqueles games que não são unanimidades, que passam despercebidos pela crítica ou, ainda, que possuem pequenas falhas, mas suficientes para não colocá-los entre os melhores do ano. Ainda assim, isso não significa que tais jogos não mereçam ser lembrados ou experimentados. É o caso dos títulos que o Canaltech cita a seguir:

Ni no Kuni: Wrath of the White Witch (PlayStation 3)

Em um mercado dominado pela ação rápida de jogos como Call of Duty, a Level-5 e a Namco vieram com uma proposta diferente: um RPG, bem no estilo preferido de nossos amigos da Terra do Sol Nascente. Com mais de uma centena de horas necessárias para ser completado, Ni no Kuni leva o jogador em uma viagem por diversos mundos utilizando de uma das mais bonitas artes já vistas em um video game.

Tomb Raider (PC, PS3, Xbox 360)

O retorno de um dos maiores ícones da era recente dos games não poderia acontecer de maneira melhor. O novo título de Lara Croft muda tudo o que se sabia sobre ela ao apresentar uma personagem ainda inexperiente, que, após um acidente de avião, deve lutar pela própria vida contra não apenas a força da natureza, mas também a ameaça humana. É impossível não se envolver com a protagonista e fazer o possível para que ela sobreviva a esse inferno.

Pokémon X / Y (Nintendo 3DS)

A nova edição de uma das maiores franquias da Nintendo leva os monstrinhos lutadores, pela primeira vez, a um mundo tridimensional. Nessa versão, são 69 criaturas inéditas, além de 28 “Mega Evoluções” e uma série de mudanças de jogabilidade, como novas mecânicas de combate e a possibilidade de customizar os personagens. Com quatro milhões de cópias vendidas apenas em seu primeiro final de semana, esse é o título com venda mais rápida na história do 3DS.

Pequenos notáveis

Não é só de grandes empresas que vive o mercado. A chegada de plataformas como a PSN e o Steam, por exemplo, permitiram que desenvolvedores de todos os tamanhos transformassem suas ideias em realidade e lucrassem com isso, vendendo bons títulos por conta própria. Eis alguns dos indie games que chamaram a atenção em 2013:

The Swapper (PC)

O cenário soturno de uma estação espacial abandonada e destruída serve de fundo para um dos mais enigmáticos títulos do ano. Explorando sala após sala, o objetivo é encontrar a saída usando uma arma criadora de clones, que permitem o controle independente e possuem outros atributos especiais. Una a isso muitas brincadeiras com a iluminação e você tem um dos principais títulos independentes de 2013.

Rogue Legacy (PC)

Trazendo fortes lembranças do clássico Ghosts’n Goblins, Rogue Legacy coloca o jogador no controle de não apenas um, mas de toda uma família de cavaleiros medievais que combatem as forças do mal. O castelo a ser explorado é gerado aleatoriamente e cada personagem possui habilidades ou desvantagens especiais. Uns, por exemplo, têm miopia e não conseguem enxergar à distância, já outros possuem os batimentos cardíacos elevados e, sendo assim, se movimentam muito mais rapidamente pelo cenário. Versões PS3, PS4 e Vita estão previstas para 2014.

Gone Home (PC)

O que você faria caso chegasse em casa após uma longa viagem e descobrisse que toda sua família desapareceu? Essa é a premissa de Gone Home, um adventure em primeira pessoa que relembra os clássicos games do estilo, que fizeram muito sucesso na década de 90. Aqui, são os objetos e situações que contam a história dentro de uma casa completamente vazia.

Papers, Please (PC)

Focado no lado emocional do jogador, Papers, Please o coloca na pele de um fiscal de imigração, que trabalha na fronteira de um país que acaba de abrir suas portas após uma longa guerra. A rotina é enfadonha: você deve checar os passaportes e vistos de todos, verificar as informações e autorizar ou não a entrada das pessoas no país. Parece fácil, não fossem as tensões políticas, os ataques terroristas, a corrupção e toda a tensão de um jogo cheio de dilemas morais.

The Stanley Parable (PC)

O game que foi considerado um dos mais conceituais de 2013 tem as escolhas como foco principal. No papel de um trabalhador de escritório que percebe de repente estar sozinho, o jogador pode seguir as orientações de um narrador que, como o título indica, entrega de bandeja tudo o que está acontecendo. Ou, então, ir contra as diretrizes originais e buscar seu próprio caminho.

Tem suas próprias sugestões de jogos? Achou que faltou algo na lista? Deixe sua opinião nos comentários e indique você também os seus games favoritos.

Instagram do Canaltech

Acompanhe nossos bastidores e fique por dentro das novidades que estão por vir no CT.