Stephen Hawking manda avisar: Brasil será campeão da Copa do Mundo

Por Redação | 02 de Junho de 2014 às 08h25
photo_camera Divulgação

Faltando apenas dez dias para a Copa do Mundo, muita gente começa a fazer suas apostas sobre quais equipes chegarão à final do campeonato. Espanha, Alemanha e Argentina estão entre as favoritas, mas no que depender de especialistas e previsões – as mais malucas possíveis –, não tem outra: a seleção brasileira será a campeã do evento esportivo em 2014.

E o Brasil ganhou um forte aliado nessa aposta, ninguém menos que o físico britânco Stephen Hawking, famoso por suas teorias sobre buracos negros. "Colocaria meu dinheiro no Brasil, pois os anfitriões ganharam 30% das Copas do Mundo. Estar perto de casa tem um impacto positivo significativo graças a fatores ambientais e psicológicos", explica o cientista. "O time do Brasil não parece ser tão bom como nos velhos tempos, mas tenho certeza que eles têm qualidade o suficiente para levantar a taça uma sexta vez".

Hawking fez essa afirmação no blog do site de apostas Paddy Power. A convite da página, o físico analisou diversos pontos importantes do futebol, entre eles a cobrança de pênalti e uma possível vitória da Inglaterra. Na verdade, o pesquisador disse o que é preciso para que seu país fature a Copa do Mundo neste ano, já que a seleção inglesa venceu apenas uma edição do mundial, em 1966. No entanto, as notícias não são nada animadoras para os torcedores do time da rainha.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

De acordo com Hawking, a Inglaterra não tem chances de levar a taça da Copa para casa este ano. E há uma explicação para isso: o tempo. Como informa a BBC, o astrofísico concluiu que a situação mais favorável para o time inglês é quando a partida ocorre em clima temperado. Um aumento de 5ºC reduz em mais da metade (59%) as chances da seleção inglesa ganhar um jogo. Além disso, a probabilidade de vitória aumenta 22% quando a viagem até o país-sede é mais curta e 33% se o jogo começa depois das 15h. As chances dobram se a partida ocorre a menos de 500 metros acima do nível do mar.

"Analisando apenas os fatores ambientais, o jogo em Belo Horizonte contra a Costa Rica é o melhor de uma série de partidas ruins, com a disputa com a Itália em Manaus sendo a mais difícil delas", afirma. Ele completa dizendo que outra condição favorável para a Inglaterra é quando o juiz da partida é europeu. Segundo Hawking, os ingleses venceram 63% dos jogos nos quais os árbitros eram da Europa, em comparação com 38% de vitórias com juízes de outros continentes.

"Juízes europeus são mais simpáticos ao jogo inglês e menos simpáticos a bailarinas como Suárez [referência a Luis Suárez, atacante uruguaio do time inglês Liverpool]", diz Hawking. Todos esses resultados foram alcançados depois do físico analisar dados de todas as participações da Inglaterra na Copa, desde a vitória de 1966.

Stephen Hawking

O pênalti perfeito

Fora acabar com as esperanças dos ingleses no mundial, Stephen Hawking publicou a fórmula perfeita para cobrança de pênaltis. Segundo o cientista, um dos pontos mais importantes para marcar um gol é ganhar velocidade e "correr mais de três passos" para uma jogada perfeita. De acordo com os cálculos de Hawking, o jogador tem 87% de chance de marcar um gol quando corre mais do que três passos. Na mesma situação, as chances caem para 58% se a corrida for igual ou menor do que isso.

Outra dica é sempre chutar para as laterais do gol – 84% dos pênaltis nessas áreas são concluídos com sucesso. E não há diferenças entre ser canhoto ou destro, pois esse detalhe não influencia na hora da cobrança. "As estatísticas confirmam o óbvio. Chute no canto superior esquerdo ou direito", diz. Já para os goleiros, a recomendação do físico é ficar pulando de um lado para o outro com o objetivo de distrair o jogador que baterá o pênalti. Quando essa ação é feita, o goleiro tem 18% mais chances de agarrar a bola.

No vídeo abaixo (em inglês), Hawking fala sobre suas previsões para a Inglaterra na Copa e brinca dizendo: "Reconheceram que, como físico teórico, estou um pouco mais qualificado para fazer previsões do que o Polvo Paul. Futebol é algo extremamente complicado. Em relação ao esporte, eu acho que a física quântica é relativamente simples", finaliza.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.