Google remove aplicativos de "stalkers" da Play Store

Por Natalie Rosa | 21 de Julho de 2019 às 10h45
Reprodução

Sete aplicativos de rastreamento foram retirados pela Google da Play Store após denúncias recentes da Avast. Segundo a empresa de segurança, os apps em questão permitiam que as pessoas rastreassem funcionários, filhos ou parceiros, ação que também é conhecida como "stalk".

O Spy Kids Tracker, por exemplo, de vigilância parental, possibilita não só o rastreamento por GPS, como também leitura de textos e visualização de fotos.

Juntos, os sete aplicativos foram instalados cerca de 130 mil vezes, sendo o Spy Kids Tracker e o SMS Tracker mais de 50 mil vezes cada. Em comunicado, a Avast disse que apps de rastreamento são antiéticos e perigosos para a privacidade das pessoas, e que não deveriam estar nas lojas de aplicativos. "Eles promovem comportamentos criminosos e podem ser usados por empregadores, perseguidores (stalkers) ou parceiros abusivos para espionar suas vítimas".

Imagem: Reprodução

No ano passado, a Universidade de Cornell, no estado de Nova York, descobriu em estudo que existem diversos aplicativos de rastreamento disponíveis e de fácil acesso, que normalmente são disfarçados de ferramentas de segurança infantil ou antirroubo.

Mesmo que os aplicativos sejam catgorizados como uma solução de segurança para crianças, não há como evitar que sejam usados de forma maliciosa.

Fonte: The Next Web

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.