Estados Unidos são capazes de rastrear celulares mesmo desligados, diz jornal

Por Redação | 24 de Julho de 2013 às 16h00

A Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos possui inúmeras capacidades de vigilância e monitoramento, como documentos revelados por Edward Snowden, ex-funcionário da agência, mostram. As capacidades variam desde o monitoramento da internet até chamadas telefônicas, mas uma nova reportagem do The Washington Post revela que o órgão também é capaz de rastrear celulares até mesmo desligados.

A reportagem tem como principal foco o crescimento da NSA e de seu programa de espionagem eletrônica após os atentados terroristas contra as Torres Gêmeas em Nova York, no dia 11 de setembro de 2001. No entanto, em meio à análise dos fatos, a reportagem revela que a agência desenvolveu em setembro de 2004 uma técnica chamada 'The Find' (algo como O Achado, em tradução livre) para agentes de operações especiais.

Segundo o jornal, a técnica foi usada no Iraque e "permitiu que a agência encontrasse a localização de telefones celulares mesmo quando eles estavam desligados". Com isso, o governo norte-americano foi capaz de identificar novos planos e novos integrantes que entravam para a Al-Qaeda, como revelaram alguns membros da unidade de operações especiais da NSA.

Não fica claro na matéria como a técnica funciona, mas normalmente para se espionar telefones celulares mesmo quando eles estiverem desligados é necessário infectar o aparelho com um Trojan e forçá-lo a continuar emitindo sinal mesmo desligado, a não ser que a bateria seja removida. Na maioria dos casos (e sem uma intervenção desse tipo), quando os usuários desligam seus dispositivos móveis sem retirar a bateria, ele para de se comunicar com as torres de telefonia celular mais próximas e o aparelho pode ser rastreado apenas até o local onde ele foi desligado.

De acordo com o Slate, em 2006, foi reportado que o FBI havia instalado um spyware em telefones celulares de suspeitos para continuar monitorando suas atividades mesmo quando o aparelho estivesse desligado. É provável que a NSA tenha utilizado uma técnica parecida no Iraque, embora em uma escala muito maior, para rastrear as atividades de milhares de usuários ao mesmo tempo.

Mesmo sendo um processo difícil, a infecção de milhares de aparelhos celulares por um Trojan já foi vista antes. Em 2009, centenas de usuários BlackBerry foram alvos de um spyware nos Emirados Árabes que estava mascarado de uma atualização legítima do sistema. A falsa atualização prejudicou o desempenho da bateria dos aparelhos e foi identificada por especialistas em segurança como tendo sido feita, aparentemente, pela empresa norte-americana SS8, que fornece "ferramentas legais de interceptação" para governos.

A NSA, por sua vez, afirma que o banco de dados que mantém com ligações telefônicas efetuadas pelos norte-americanos não inclui informações de localização. Mas, a notícia de que a agência possui uma técnica de rastreamento poderá ampliar as discussões sobre a dimensão do programa PRISM.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.