Veja novas fotos da Terra tiradas do espaço pela vela solar LightSail 2

Por Daniele Cavalcante | 20 de Fevereiro de 2020 às 22h00
The Planetary Society

A LightSail 2, lançada pela Sociedade Planetária em junho de 2019 para demonstrar o potencial das velas solares, já orbita a Terra há oito meses. O objetivo é permanecer em órbita por cerca de um ano sem nenhum combustível - usando apenas partículas de luz solar. Mas a nave também é equipada com uma câmera e nos brindou com algumas novas fotos impressionantes do nosso planeta, capturadas durante a missão.

Uma imagem do Chifre da África e do Golfo de Áden, tirada por uma câmera do LightSail 2 em 19 de janeiro de 2020

Com base no voo até o momento, a equipe responsável recomendou que as futuras velas solares apresentassem painéis solares nos dois lados da vela, em vez de apenas um lado. É que o LightSail 2 usa o design unilateral e o time teve que lidar alguns problemas de energia para a espaçonave, de acordo com o novo relatório da equipe.

Eles também relataram a dificuldade da nave em navegar na atmosfera da Terra, mesmo em altitudes de 720 km. Tudo indica que as velas solares provavelmente são mais eficazes em altitudes ainda mais altas ao redor da Terra ou no espaço profundo.

Uma foto que mostra a costa oeste da Índia, capturada em 21 de janeiro de 2020.

Recentemente a equipe avaliou o sucesso do voo ao longo da missão e compartilhou o que aprenderam e como estão lidando com os problemas encontrados até então.

A LightSail 2 conta com um cubesat de 5 kg e é equipada com uma vela extremamente fina que, ao se abrir no espaço, chega ao tamanho de um ringue de boxe. Então, ela é impulsionada pela radiação solar - mais ou menos como um barco a vela é movido pela força do vento. O conceito foi apresentado por Carl Sagan, cofundador da Sociedade Planetária, nos anos 1970.

Uma imagem da costa nordeste da América do Sul capturada pelo LightSail 2 em 11 de janeiro de 2020.

A equipe adicionou há pouco tempo um novo modo de controle à sonda para manter a vela solar de frente para o Sol durante toda a sua órbita. Isso dará à nave uma orientação favorável para resolver o problema do carregamento de bateria, entre outras vantagens. O time também estudará o efeito da vela na taxa de decaimento orbital, compartilhando os dados com outras equipes que estudam o uso de velas para desorbitar naves espaciais.

Fonte: Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.