SpaceX lança mais satélites Starlink, mas falha ao recuperar estágio do foguete

Por Daniele Cavalcante | 18 de Fevereiro de 2020 às 17h30
SpaceX
Tudo sobre

SpaceX

Saiba tudo sobre SpaceX

Ver mais

Um novo lote de 60 satélites da plataforma Starlink foi lançado com sucesso à órbita terrestre pela SpaceX nesta segunda-feira (17). Este foi o quinto lançamento do projeto desde sua estreia, e o terceiro apenas neste ano, levando a “constelação” atual para um total de 300 satélites — rumo a um total que pode chegar a 42 mil.

Originalmente, o plano para este lançamento era realizá-lo no último sábado, mas a SpaceX teve que adiar um pouco sua agenda devido às condições meteorológicas desfavoráveis. Assim, a companhia de Elon Musk lançou o foguete Falcon 9 na segunda-feira, a partir da Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral, após um atraso de 24 horas por causa de um problema com um componente no segundo estágio do foguete.

Era uma manhã de nevoeiro, mas o tempo melhorou pouco antes da decolagem e os motores Merlin 1D levaram o Falcon 9 rumo à órbita. Tudo correu bem, exceto no último momento: o primeiro estágio do foguete não conseguiu chegar à plataforma marítima de pouso, que é um navio-drone chamado Of Course I Still Love You, posicionado no Oceano Atlântico. Se fosse bem-sucedido, o pouso do primeiro estágio teria marcado o marco de 50 recuperações realizadas pela SpaceX. O número de pousos, no entanto, ainda é impressionante, e ajuda a empresa a economizar, já que parte do veículo de lançamento é reutilizada. Esta missão foi o 80º lançamento da SpaceX, informou a empresa.

O foguete fez uma descida “suave” no oceano próximo ao navio drone, e a SpaceX está otimista que ele teve um retorno bem-sucedido e, talvez, ainda esteja inteiro. O problema provavelmente foi errar o local de pouso, mas ainda não se sabe o que exatamente o porquê. "O primeiro estágio retornou à Terra. Infelizmente, não pousamos o primeiro estágio em nosso navio drone", disse Jessie Anderson, engenheira de produção da SpaceX. “Mas fez uma aterrissagem suave na água, bem ao lado do navio, então parece que pode estar inteiro”.

Uma das possibilidades é que o problema tenha sido na mudança na órbita dos satélites. Neste lançamento, os satélites foram inseridos em uma órbita elíptica, o que exigiu que o foguete trabalhasse mais e tornou o pouso mais difícil que o normal. No vídeo abaixo, a empresa tentou filmar o momento do pouso, mas podemos apenas ver uma nuvem de vapor — ou fumaça — à direita da plataforma e gotas de água respingando na câmera.

O objetivo da SpaceX é levar internet para o mundo todo a partir do espaço, através de uma rede de pequenos satélites de baixo custo e alto desempenho. Juntos, eles serão capazes de oferecer conectividade para comunidades isoladas e até navios em alto-mar. Para a primeira etapa de testes do projeto, será preciso pelo menos 400 unidades para oferecer cobertura moderada nos EUA e Canadá — o que já deve começar a acontecer neste ano de 2020 mesmo.

De acordo com a SpaceX, a rede Starlink incluirá inicialmente 1.584 satélites, todos operando em baixa órbita terrestre. Mas a empresa tem aprovação da Federal Communications Commission para operar 12.000 satélites e planeja buscar permissão para mais 30.000, totalizando 42.000 objetos compondo uma mega constelação ao redor do planeta.

Fonte: Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.