Soyuz 11 | A bizarra história das únicas pessoas que já morreram no espaço

Por Patrícia Gnipper | 27 de Junho de 2019 às 09h58

A missão soviética Soyuz 11 foi a segunda tentativa da União Soviética de enviar astronautas à sua primeira estação espacial — a Salyut 1. A nave acomodando três cosmonautas (Georgi Dobrovolski, Vladislav Volkov e Viktor Patsayev) foi lançada no dia 6 de junho de 1971 e sua missão no espaço foi um sucesso. Contudo, quando a cápsula retornou à Terra, o que seria um momento de glória e comemoração abriu um capítulo para lá de assustador na história da exploração espacial: os três cosmonautas estavam mortos.

A tripulação a bordo da Soyuz 11 chegou com sucesso à Salyut 1 no dia após o lançamento, onde permaneceram por 22 dias. Isso marcou um recorde de permanência no espaço naquela época, que somente seria batido em 1973 com a missão americana Skylab 2.

Georgi Dobrovolski, Vladislav Volkov e Viktor Patsayev a bordo da Soyuz 11

Então, no dia 30 de junho de 1971, a turma de cosmonautas estava retornando à Terra com uma missão bem-sucedida nas costas. A reentrada da nave em nossa atmosfera aconteceu normalmente, sem nenhum indício de que algo estava dando muito errado por lá. Contudo, a equipe de recuperação soviética, ao abrir a escotilha da cápsula, teve o choque de ver que os três cosmonautas estavam mortos.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Rapidamente a equipe local determinou que a causa da morte teria sido asfixia, provavelmente causada pelo rompimento de uma válvula cuja função era homogeneizar a pressão dentro da nave nos momentos finais antes da aterrissagem. Porém, com a falha, a tal válvula teria permitido que o ar dos cosmonautas escapasse para o espaço durante a descompressão — e seria impossível que eles consertassem o problema, já que o aparato estava localizado atrás dos bancos onde eles estavam não apenas sentados, como presos ao assento.

Acredita-se que o trio já não estava mais respirando ao menos por quinze minutos antes da aterrissagem, então eles já estavam mortos quando a nave foi recuperada aqui na Terra. Mesmo assim, a equipe de resgate tentou fazer procedimentos médicos de reanimação — sem sucesso. Hoje sabemos que mortes por uma grande e repentina queda na pressão do ar fazem com que o ar nos pulmões se expanda e rasgue o delicado tecido do órgão, com a descompressão também vaporizando a água dos tecidos moles do corpo, produzindo inchaço. De maneira contínua, esse cenário leva à criação de bolhas que impedem o fluxo sanguíneo — após apenas 60 segundos de descompressão, a circulação sanguínea é interrompida, cortando a oxigenação cerebral e, portanto, a pessoa acaba ficando inconsciente a partir daí.

Um selo postal foi criado em 1971 homenageando o trio de cosmonautas

Então, ainda que pareça reconfortante saber que os cosmonautas não sentiram tudo o que estava acontecendo em seus organismos após esse primeiro minuto, é fato que seus últimos 60 segundos de vida (no mínimo) foram desesperadores e muito dolorosos. Apesar de as autópsias oficiais permanecerem em sigilo na Rússia até hoje, atualmente temos esse conhecimento científico do que acontece quando um organismo vivo é submetido ao que os cosmonautas passaram: dores intensas no peito, abdômen e cabeça, para começar, seguido pelo rompimento de seus tímpanos, com sangue saindo por suas orelhas e bocas.

Georgi Dobrovolski, Vladislav Volkov e Viktor Patsayev morreram quando a nave estava a aproximadamente 167 quilômetros acima da atmosfera, então eles são, até os dias atuais, as únicas pessoas que já morreram no espaço. Outras tragédias envolvendo lançamentos ao espaço e que resultaram na morte de astronautas aconteceram em Terra ou dentro dos limites da nossa atmosfera, e não no ambiente espacial.

Os três receberam um funeral de Estado e foram enterrados nos muros do Kremlin, que fica na Praça Vermelha em Moscou. Depois disso, a série de naves Soyuz foi extensivamente remodelada e, a partir daí, passou a acomodar apenas dois cosmonautas — o espaço adicional permitiu mais mobilidade a eles, o que de repente poderia ter salvado a vida da tripulação da Soyuz 11 caso eles tivessem tido a chance de se mexer para tentar, literalmente, tapar o buraco.

Funeral dos cosmonautas que morreram no espaço

Com informações de All Things Interesting, Discover Magazine

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.