Pesquisadores sugerem que Terra pode ter várias "mini-luas"

Pesquisadores sugerem que Terra pode ter várias "mini-luas"

Por Redação | 16 de Agosto de 2018 às 21h40
NASA/ESA

Uma nova descoberta pode criar uma mudança no conteúdo escolar de todo o mundo: a Terra pode ter não apenas uma, mas várias luas.

Segundo pesquisa publicada na revista Frontiers in Astronomy and Space Sciences, a Lua que conhecemos seria apenas o maior dos satélites que orbitam a Terra, e o único visível a olho nu. Mas, apesar disso, nosso planeta teria também uma grande variedade de “mini-luas”, corpos muito pequenos para serem percebidos, normalmente não ultrapassando os dois metros de diâmetro.

Segundo o estudo, o primeiro desses objetos foi observado em 2006, tendo sido a primeira vez que, com exceção da Lua, um objeto natural foi visto orbitando a Terra. Na época, ficou claro que era apenas um pedaço de rocha perdido no espaço que tinha sido capturado pelo campo gravitacional da Terra, mas esse foi o ponto de partida para um novo modo de enxergar os objetos que orbitam o nosso planeta.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Chamados pelos cientistas de TCOs (temporarily-captured orbiters, ou "orbitais temporariamente capturados", em português) ou TCFs (temporarily-captured flybys, ou "detritos temporariamente capturados" em português), esses objetos não ficam por muito tempo na órbita do planeta, sendo logo catapultados para fora do campo gravitacional. Enquanto os TCO completam pelo menos uma volta ao redor da Terra, os TCFs costumam apenas passar de relance pelo campo gravitacional do planeta, sendo logo arremessados de volta ao espaço em alta velocidade.

Até hoje, apenas um TCO foi observado pelos cientistas — justamente a mini-lua encontrada em 2006 — mas eles acreditam que as novas tecnologias de telescópios poderão encontrar cada vez mais desses objetos dia após dia. Caso isso aconteça mesmo, os astrônomos poderão estudá-las com maior profundidade, e até mesmo usá-las para criar um modelo do movimento de asteroides no Sistema Solar como um todo.

Fonte: BGR

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.