Para minerar a Lua e asteroides, NASA analisa duas missões conceituais

Por Patrícia Gnipper | 19 de Junho de 2019 às 19h15
NASA
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre NASA

Ver mais

A NASA divulgou dois projetos conceituais que, se levados adiante, poderão examinar rapidamente crateras lunares para a exploração de futuros astronautas, bem como identificar recursos de mineração em asteroides. Ambos os projetos fazem parte do programa Innovative Advanced Concepts da NASA (NIAC), que justamente busca ideias teóricas de exploração espacial, ainda que suas tecnologias possam levar vários anos para se concretizarem.

Cada projeto receberá US$ 2 milhões para que seu desenvolvimento seja delineado. "Selecionamos duas propostas porque acreditamos que ambas as tecnologias poderiam impactar positivamente a indústria. Estamos entusiasmados com o fato de que esses conceitos de tecnologia poderiam ajudar a humanidade a explorar o espaço de novas maneiras", declarou Jason Derleth, executivo do NIAC.

Conceito de rover exploratório do projeto Skylight (Imagem: William Whittaker, Carnegie Mellon University)

O primeiro conceito é o Skylight, capaz de ajudar os futuros astronautas que estarão sempre presentes na Lua após o retorno da humanidade para lá em 2024. Usando imagens de alta resolução, tiradas de pertinho, a sonda da Skylight criará modelos 3D de crateras lunares, mostrando se é seguro, ou não, para que humanos ou rovers desçam ali para explorar seus recursos naturais. Ainda, o sistema a bordo da nave poderá identificar gelo nas sombras das crateras.

Conceito da sonda Mini Bee para explorar asteroides (Imagem: TransAstra Corporation)

Já o outro projeto se chama Mini Bee, com o potencial de desenvolver uma maneira de extrair recursos de asteroides repletos de água e minerais valiosos. O projeto visa a utilização de um método chamado mineração óptica, que concentra a luz solar na superfície do objeto, desgastando-a e, então, liberando resíduos para a coleta.

O programa NIAC espera financiar a próxima fase desses estudos nos próximos anos, com cada equipe tendo dois anos para detalhar suas pesquisas o suficiente para que a ideia seja apresentada à indústria e ao governo dos Estados Unidos.

Fonte: NASA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.