Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Exoplaneta gelado em forma de olho poderia abrigar vida

Por| Editado por Luciana Zaramela | 10 de Julho de 2024 às 11h33

Link copiado!

Benoit Gougeon/University of Montreal
Benoit Gougeon/University of Montreal

LHS-1140b, um exoplaneta a 50 anos-luz da Terra que parece ser do tipo “globo ocular”, pode ser favorável para a procura de vida fora do Sistema Solar. A descoberta foi feita por cientistas da Universidade de Montreal, no Canadá, e sugere que este mundo é coberto por uma atmosfera de nitrogênio. No entanto, mais observações são necessárias para confirmar a detecção.  

No ano passado, a equipe publicou uma análise da densidade do planeta, que sugeria se tratar de um mundo com oceano global. Se existir, o oceano seria bem diferente do que conhecemos: o lado dele que fica permanentemente longe da estrela pode ser frio o suficiente para congelar, enquanto aquele voltado para ela iria derreter, formando uma massa de água líquida, que seria a "íris" sempre apontada para a estrela — daí a comparação da aparência do planeta com um globo ocular. 

“De todos os exoplanetas temperados conhecidos atualmente, LHS-1140b pode ser a nossa melhor aposta para um dia confirmarmos, de forma indireta, a água liquida na superfície de um planeta além do nosso Sistema Solar”, comentou Charles Cadieux, pesquisador da universidade e autor que liderou o novo estudo. 

Continua após a publicidade

O exoplaneta LHS-1140b é conhecido pelos astrônomos há alguns anos. Este mundo tem raio 1,7 vez maior que o da Terra e é 5,6 vezes mais massivo que nosso planeta. Por lá, os anos duram apenas 25 dias terrestres — a proximidade entre o LHS-1140b e sua estrela é tanta que, provavelmente, ele tem o chamado bloqueio de marés, que faz com que mantenha sempre o mesmo lado voltado para a estrela. É o que acontece com a Lua e a Terra.

Apesar de já ter sido alvo de uma série de estudos, ainda faltava investigar a composição química da atmosfera deste mundo. É aqui que entra o novo estudo de Cadieux e seus colegas, que usaram o telescópio James Webb para a análise, e verificaram a presença do nitrogênio lá. O gás é o ingrediente principal na atmosfera da Terra. 

A presença do hidrogênio ali sugere que LHS-1140b pode ter uma atmosfera secundária, que teria surgido após a formação do mundo. “Detectar uma atmosfera parecida com a da Terra em um planeta temperado é forçar o telescópio James Webb aos seus limites, mas é viável”, disse o coautor René Doyon. “Precisamos só de muito tempo de observação”. 

As novas observações vão ser necessárias para confirmarem se ali realmente existe uma atmosfera rica em nitrogênio. “Precisamos de pelo menos mais um ano de observações para confirmar que o LHS 1140b tem uma atmosfera, e provavelmente mais dois ou três para detectar o dióxido de carbono”, finalizou. 

O artigo com os resultados do estudo foi aceito na revista The Astrophysical Journal e pode ser acessado no repositório arXiv.

Fonte: arXiv