Estrelas jovens formam jatos em formato de "S"; veja fotos espetaculares

Estrelas jovens formam jatos em formato de "S"; veja fotos espetaculares

Por Daniele Cavalcante | Editado por Patrícia Gnipper | 20 de Janeiro de 2022 às 19h30
International Gemini Observatory/NOIRLab/NSF/AURA

Jatos estelares em formato de “S” foram retratados em novas imagens incríveis do Observatório Gemini, do NOIRLab. As regiões de formação estelar são percorridas pelas estruturas recém-formadas por estrelas jovens em rotação, interagindo com discos de gás.

Esse tipo de formação não é exatamente raro — na verdade, é bem comum, mas as novas imagens fornecem dados bem precisos e mais informações úteis. Ainda não há certeza sobre os mecanismos por trás dos jatos, mas os cientistas tem uma boa explicação.

Detalhes em destaque do objeto MHO 2147 e seus jatos estelares (Imagem: Reprodução/NOIRLab)

Quando uma estrela se forma em uma nuvem de gás, sua gravidade e rotação fazem com que o gás restante ao seu redor se transforme em um disco orbital, chamado disco protoplanetário — é dele que os planetas se formam em seguida.

Mas antes de um sistema estelar surgir, os campos magnéticos dessas estrelas em rotação interagem com os discos de gás, formando torrentes gás ionizado em direções opostas. Os formatos sinuosos dos jatos parecem ser resultado da atração gravitacional de estrelas companheiras.

O NOIRLab divulgou imagens de duas estrelas com seus jatos, uma delas com detalhes impressionantes: a MHO 2147, localizada a cerca de 10.000 anos-luz da Terra, apresenta uma aparência com ondulação bastante acentuada e rica em propriedades. Uma delas é a faixa azul, que representa nuvens de hidrogênio excitadas pela colisão entre o material circundante e o material ejetado por estrelas individuais.

Os jatos são resultado das interações entre as estrelas e nuvens de gás ao redor (Imagem: Reprodução/International Gemini Observatory/NOIRLab/NSF/AURA

O formato da MHO 2147 ocorre porque a direção do jato mudou ao longo do tempo, de acordo com o NOIRLab, traçando uma curva em ambos os lados da estrela. A mudança do jato pode ser devido à influência gravitacional de estrelas próximas atuando na estrela central. A estrela está em uma região perto da fronteira entre as constelações de Sagitário e Ofiúco.

A outra formação, chamada MHO 1502, está em uma área de formação estelar conhecida como região HII, bem diferente da anterior. Os astrônomos suspeitam que o jato é formado por duas estrelas centrais. Além disso, há uma cadeia de nós, ou seja, o jato é entrecortado, provavelmente porque as estrelas emitem material em determinados intervalos.

Os jatos entrecortados sugerem que as emissões possuem intervalos (Imagem: Reprodução/International Gemini Observatory/NOIRLab/NSF/AURA

Por outro lado, a MHO 2147 tem uma estrela central chamada IRAS 17527-2439, que pertence possivelmente a um sistema triplo de estrelas separadas por mais de 300 bilhões de quilômetros.

Fonte: NOIRLab

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.