Cientistas detectam "partícula fantasma" proveniente do espaço profundo

Por Patrícia Gnipper | 17 de Julho de 2018 às 23h30
IceCube Neutrino Observatory

Pela primeira vez na história, a ciência conseguiu captar neutrinos provenientes do espaço profundo. Os neutrinos também são conhecidos como uma "partícula fantasma" porque eles podem viajar através de praticamente qualquer meio, não deixando nenhum rastro — o que torna sua detecção extremamente complicada.

A partícula detectada se deslocou pelo espaço por milhões de anos-luz até chegar à Terra, e tal detecção foi possível graças a uma ferramenta chamada IceCube — um cubo de gelo de um quilôMetro posicionado a cerca de 2.500 metros abaixo da superfície na Antártida, que é parte do IceCube Neutrino Observatory. O aparato foi equipado com mais de 5 mil tubos de detecção, construindo, assim, um detector maciço que ficou ali esperando que um neutrino do espaço profundo se chocasse contra o instrumento.

A descoberta confirma que fontes potentes de energia no espaço produzem neutrinos, que são uma ferramenta-chave para se entender fenômenos do universo que ainda são um tanto quanto misteriosos para nós.

Neutrinos são partículas subatômicas quase sem nenhuma massa, também não tendo carga elétrica e, portanto, interagem raramente com o ambiente. Trilhões de neutrinos fluem através dos nossos corpos a cada segundo, tudo isso sem que notemos nada. A maioria dessas partículas vêm do Sol, mas acreditava-se que uma pequena porcentagem acabava chegando à Terra a partir de disparos cósmicos de alta energia — o que acaba de ser comprovado com a detecção do IceCube.

A descoberta foi devidamente documentada na renomada revista Science.

Fonte: Space.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.