China pode lançar missão interestelar seguindo os passos das Voyager, da NASA

China pode lançar missão interestelar seguindo os passos das Voyager, da NASA

Por Felipe Junqueira | 19 de Novembro de 2019 às 15h58
NASA

A China pretende realizar uma missão parecida com as das Voyager, da NASA, enviando sondas para a área além da influência dos ventos solares, a uma área que já é considerada como espaço interestelar. Porém, diferente da missão da agência espacial norte-americana, os chineses planejam enviar uma sonda para um local ainda inexplorado pela humanidade.

O diretor do Instituto de Física Espacial e Tecnologia Aplicada da Universidade de Pequim, Zong Qiugang, disse que a missão “vai nos permitir descobrir, explorar e entender processos astrofísicos fundamentais no maior laboratório de plasma - a heliosfera”. A ideia é lançar a primeira sonda em 2024.

As duas Voyager, lançadas nos anos 1970, já estão no espaço interestelar (Imagem: NASA/JPL-Caltech)

Por enquanto chamada IHP, sigla em inglês para “sonda heliosfera interestelar”, a primeira nave interestelar chinesa deve percorrer um caminho parecido com o das Voyager, que já estão fora da heliosfera. A IHP-1 sobrevoaria Netuno, faria medições da bolha de gás eletricamente carregada que rodeia o Sistema Solar e, então, iria para o espaço interestelar. Essa sonda sairia da heliosfera pelo o que cientistas chamam de "cabeça" do que seria uma espécie de "cometa" formado pelo Sistema Solar, conforme viajamos pela Via Láctea.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Já a segunda sonda iria para o que se acredita ser o "rabo", área não explorada e pouco conhecida. A IHP-2, caso seja bem sucedida, poderia ajudar a responder se essa cauda se fecha em algum ponto, como acontece com a cauda de um cometa.

O projeto ainda não foi formalmente aprovado, mas cientistas chineses estão levando as pesquisas a sério. Eles esperam conseguir aprovar a missão até 2021 ou, o mais tardar, em 2022. A ideia é alcançar a distância de 100 unidades astronômicas da Terra até 2049, marcando o 100º aniversário de fundação da República Popular da China.

Fonte: The Planetary Society

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.