Publicidade

Céu de 2024 | Calendário com os eventos astronômicos do ano

Por| Editado por Patricia Gnipper | 05 de Janeiro de 2024 às 17h36

Link copiado!

Alberlan Barros/Pexels
Alberlan Barros/Pexels

Os eventos astronômicos de 2024 serão muito interessantes para os apreciadores de conjunções planetárias. Por exemplo, Saturno acabará ficando tão perto da Lua que quase poderia ser eclipsado. Além disso, chuvas de meteoros prometem belos espetáculos e o "cometa do Diabo" deve se tornar visível a olho nu.

Abaixo, você confere os principais espetáculos que fazem parte do calendário astronômico de 2024 aqui no hemisfério Sul.

O que ver no céu em janeiro

Continua após a publicidade

Aproximação entre Vênus e Lua

Pouco antes do nascer do Sol no dia 8 de janeiro, Vênus aparecerá perto da Lua, acompanhado também dos planetas Marte e Mercúrio. Para observar estes últimos, será preciso um horizonte livre de prédios e árvores.

Aproximação entre Saturno e Lua

Logo após o anoitecer de 13 e 14 de janeiro, Saturno estará perto da Lua crescente, em um cenário composto pela rica região de Órion. Você poderá observar o planeta próximo de Aldebaran, Betelgeuse e do aglomerado das Plêiades, tudo por volta das 23h00.

Continua após a publicidade

O que ver no céu em fevereiro

Aproximação entre Marte e Lua

Por volta das 5h00 de 8 de fevereiro, a Lua nasce ao lado do Planeta Vermelho, mas será preciso encontrar um horizonte livre para observá-los. À medida que a dupla se eleva, o nascer do Sol se aproxima, dando uma janela de apenas 40 minutos de observação, aproximadamente.

Vênus também estará visível ali perto, acima de Marte, e Mercúrio aparecerá logo abaixo, embora não seja tão fácil enxergá-lo devido à proximidade da linha ho horizonte. 

Continua após a publicidade

O mais legal é que a Lua estará no finalzinho de sua fase minguante, ou seja, parecerá apenas um risco no formato de um sorriso tímido. Será uma boa oportunidade para fotos interessantes.

Conjunção entre Vênus e Marte

Às 4h20 da manhã em 22 de fevereiro, Vênus e Marte nascerão bem juntinhos, mas, novamente, o tempo de observação antes do nascer do Sol será curto. A visibilidade estará favorável até 5h30, mas a dupla ainda estará pouco acima da linha do horizonte. Ainda é válida a dica de encontrar um local aberto, livre de prédios, casas e árvores.

Continua após a publicidade

O que ver no céu em março

Aproximação entre Marte, Lua e Vênus

Por volta das 5h00 de 8 de março, haverá um "repeteco" do evento de aproximação destes três objetos. A diferença será que Marte estará acima da Lua e Vênus abaixo. Como nos eventos anteriores, será preciso encontrar um horizonte livre e a janela de observação será de uma hora, aproximadamente. 

Continua após a publicidade

Equinócio de outono

O equinócio de outono em 2024 ocorre no dia 20 de março às 0h06, no horário de Brasília, sinalizando a chegada do outono no hemisfério Sul e o início da primavera no hemisfério Norte. 

Conjunção entre Vênus e Saturno

Essa conjunção acontecerá em 21 de março nas mesmas condições das anteriores: apenas uma hora antes do nascer do Sol, bem próximo do horizonte. A vantagem é que se você perder o evento nesta noite, ainda poderá observá-lo no dia seguinte, 22, no mesmo horário.

Continua após a publicidade

Eclipse lunar penumbral

A partir das 4h00 de 25 de março, a Lua se posicionará na penumbra projetada pela Terra, isto é, a parte mais externa de sua sombra. Durante esse tipo de eclipse, nosso satélite natural fica só um pouco mais escuro, sendo este um fenômeno relativamente discreto. Ainda assim, vale a pena acompanhar.

Continua após a publicidade

O que ver no céu em abril

Cometa 12P/Pons-Brooks visível a olho nu

O objeto apelidado de “cometa do Diabo” será visível a olho nu em 21 de abril, segundo as previsões dos astrônomos. Entretanto, vale lembrar que cometas podem ser um tanto "rebeldes" e não cumprir as expectativas. De qualquer forma, vale ficar atento para observar o espetáculo.

Espera-se que o cometa atinja o máximo de seu brilho durante a madrugada do dia 21, pouco antes do nascer do Sol.

Continua após a publicidade

Pico da chuva de meteoros Líridas

A chuva de meteoros Líridas terá o pico entre a noite do dia 22 de abril e a madrugada do dia 23. Infelizmente, a Lua quase cheia prejudicará a visibilidade, diminuindo a quantidade de meteoros observáveis. Em condições ideais, essa chuva pode chegar a 18 meteoros por hora.

O que ver no céu em maio

Continua após a publicidade

Pico da chuva Eta Aquáridas e conjunção de planetas

O pico da chuva de meteoros Eta Aquáridas, formada por detritos do cometa Halley, poderá apresentar até 50 meteoros por hora na noite de 5 de maio. A Lua não atrapalhará essa chuva, portanto vale a pena marcar essa data no calendário.

Você também poderá observar uma conjunção entre Saturno, Marte, Lua e Mercúrio, pouco antes do amanhecer.

Conjunção entre Saturno e Lua

Continua após a publicidade

Saturno ficará tão perto da Lua em 31 de maio que por pouco não será um "eclipse". A conjunção máxima ocorrerá por volta das 4h20, mas os osbervadores podem acompanhar a aproximação gradual a partir das 1h00, quando os objetos surgirem acima do horizonte.

O que ver no céu em julho

Pico da chuva de meteoros Delta Aquáridas do Sul

Essa chuva tem pico em 31 de julho e pode proporcionar até 25 meteoros por hora e terá radiante na direção da constelação de Aquário. Neste ano, a visibilidade estará favorável à observação de uma boa quantidade de “estrelas cadentes” porque o brilho lunar não atrapalhará.

Pico da chuva de meteoros Capricornídeos

A chuva dos Capricornídeos não é muito famosa e proporciona apenas uma taxa de 5 meteoros por hora, mas ocorre no mesmo dia da Delta Aquáridas do Sul — 31 de julho. Com isso, a noite será favorável a uma quantidade maior de objetos atravessando o céu. A constelação de Capricórnio, radiante dessa chuva, é bem próxima de Aquário, tornando as duas chuvas facilmente confundíveis. 

Cenário em Órion e Touro

Completanto a noite do dia 31 de julho, o céu estará particularmente interessante por volta das 5h00: na constelação de Touro, a Lua estará na companhia dos planetas Marte e Júpiter, além da estrela Aldebaran e o aglomerado das Plêiades.

Ao lado, Órion completa o cenário com seus objetos mais brilhantes, como Betelgeuse, Rigel, as Três Marias e, em céus livres de poluição luminosa, a grande nebulosa de Órion. O melhor é que a Lua Minguante estará pouco brilhante, ou seja, não atrapalhará a observação dos objetos mais tênues, como as Plêiades.

Resumindo: 31 de julho será uma das noites mais fascinantes do ano, ao menos para os que tiverem paciência para esperar a aparição dos meteoros até 5h30 da manhã. Por outro lado, o cenário descrito acima se repetirá nas noites seguintes, então não se preocupe caso perca essa primeira oportunidade.

O que ver no céu em agosto

Pico da chuva de meteoros Perseidas

A chuva dos meteoros Perseidas está prevista para ocorrer entre a noite de 12 de agosto e madrugada do dia 13, com radiante da chuva na constelação Perseus. Para este ano, pode haver cerca de 100 meteoros por hora no hemisfério Norte, desde que o observador esteja em uma área livre de poluição luminosa.

Conjunção entre Saturno e Lua

Mais uma vez, Saturno passará muito perto da Lua, quase sendo eclipsado pelo disco lunar. O evento ocorrerá às 22h30 de 20 de agosto, mas recomendamos acompanhar a aproximação gradual a partir das 20h30, bem como o afastamento até 23h30. A Lua quase cheia pode comprometer a visualização do planeta.

O que ver no céu em setembro

Eclipse lunar parcial

Nesse eclipse que acontece em 21 de setembro, a Lua será parcialmente coberta pela sombra mais escura da Terra, logo após ser completamente coberta pela penumbra. Confira na imagem abaixo a porção do disco lunar que se tornará invisível:

O evento comerçará às 23h14 e se encerra às 0h16, sem considerar a fase do eclipse penumbral. O eclipse será completamente visível em todo o país.

Equinócio de primavera

O equinócio de primavera ocorre às 9h43 do dia 22 de setembro, marcando o início da primavera no hemisfério Sul e o começo do outono no hemisfério Norte. Neste dia, ambos os hemisférios da Terra recebem aproximadamente a mesma quantidade de luz solar.

O que ver no céu em outubro

Eclipse solar parcial

Embora este eclipse seja anular no extremo sul da América latina, infelizmente observaremos apenas um eclipse solar parcial no dia 2 de outubro. Ainda assim, caso esteja na região Sul ou Sudeste do país, vale a pena adquirir um equipamento de proteção adequado para os olhos e observar este evento desde o início. 

O eclipse do dia 2 de outubro começará às 16:53:58, com máximo às 17:41:48 e encerramento após o pôr do Sol. 

Pico da chuva de meteoros Oriônidas

A Oriônidas é uma chuva causada pelos detritos do famoso cometa Halley e terá pico entre os dias 21 e 22 de outubro. Seu radiante está na constelação de Orion, mas o brilho da Lua atrapalhará essa chuva. Em boas condições, ela proporciona até 20 meteoros por hora, então espere observar um número bem reduzido. 

O que ver no céu em novembro

Conjunção entre Vênus e Lua

Na noite de 4 de novembro, chega a vez de Vênus ficar próximo da Lua, evento que podemos observar a partir do pôr do Sol. O planeta não ficará tão juntinho do disco lunar quanto Saturno nas ocasiões mencionadas acima, mas ainda é uma conjunção fascinante, ainda mais por se tratar de um planeta muito mais brilhante.

Pico da chuva de meteoros Taurídeos

Apesar dos poucos meteoros previstos, a chuva de meteoros Táuridas pode surpreender porque a Lua não vai atrapalhar a observação, cujo pico acontece em 5 de novembro. Serão cerca de 5 meteoros por hora, porém pode ser que observemos objetos nas cores laranja, vermelho e amarelo, além de bolas de fogo. Sem dúvida um evento para anotar no calendário.

O que ver no céu em dezembro

Pico da chuva de meteoros Geminídeos

Ao contrário de 2023, que foi muito favorável para as Gemínidas, o pico dessa chuva em 2024 será atrapalhado pela Lua brilhante nas noites de 13 de 14 de dezembro. Ainda assim, essa é a chuva mais interessante para os observadores do hemisfério Sul, com chances de um grande volume meteórico por hora.