Brasil avança em lançamento de nanossatélites

Por Luciana Zaramela | 27 de Junho de 2019 às 07h45
NASA

O Brasil está cada vez mais ativo no campo das ciências espaciais. Em um acordo para colocar o país entre grandes exploradores de telemática, pesquisadores brasileiros agora fazem parte de um consórcio internacional que visa o lançamento de nanossatélites, ou cubesats, para observação da Terra. Com isso, espera-se que seja lançado para órbita terrestre um conjunto de equipamentos capazes de fornecer imagens de alta qualidade e em três dimensões sobre o clima e o relevo de nosso planeta.

Cada nanossatélite tem, em média, 10 cm de aresta, ou seja, é menor do que uma caixa de sapato. Quando em órbita, esses pequenos aparatos funcionam como sensores capazes de coletar e enviar informações de alta qualidade para os pesquisadores em solo.

"A maior vantagem dos mini e nanossatélites é que, por estarem em altitudes mais baixas [a 300 quilômetros da superfície terrestre], eles têm menor latência. Dessa forma, é possível que o fluxo de dados seja feito em tempo real, ao contrário dos satélites geoestacionários. Outra vantagem considerável é que o custo do lançamento de um satélite costuma ser calculado pela sua massa," explicou Klaus Schilling, professor do Centro para Telemática da Alemanha e líder do projeto, que envolve pesquisadores da Alemanha, África do Sul, Áustria, China, Canadá e EUA. Ou seja, nanossatélites custam pouco e rendem muito.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.
Um nanossatélite é equipado com sensores, câmeras e equipamentos de transmissão de dados

Após um encontro realizado em São José dos Campos (SP), que discutiu o projeto Missão Telemática Internacional (TIM), foi acordado que novos satélites com menos de 3 kg serão lançados, provavelmente de uma base na China, para fins de pesquisa.

Para Geilson Loureiro, chefe do Laboratório de Integração e Testes do Inpe, institutos e universidades do Estado de São Paulo que participaram da reunião poderão dar seguimento ao projeto nacional de lançamento de cubesats.

"Temos a tecnologia e a intenção de participar da empreitada, que deve reunir, além de pesquisadores da Bavária, cientistas das províncias de Shandong, Quebec e Western Cape. Reunimos integrantes das empresas paulistas Visiona, Orbital e Cron e pesquisadores do Inpe, do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e da Universidade Federal do ABC para discutir nossa participação e formular uma proposta de financiamento do projeto" revelou.

Com o Brasil participando do TIM, espera-se que o país consiga lançar até nove cubesats para colaborar com o projeto. O objetivo principal é conseguir colocar o país como colaborador em inovação telemática, coletando informações e dados importantes de observação, exploração e telecomunicações.

Os cubesats não são raros lá em cima, aliás. Existem milhares deles orbitando a Terra, ora desempenhando funções básicas, ora coletando dados para pesquisas avançadas. No entanto, participar de um projeto cujo objetivo é realizar pesquisas de ponta com documentação em 3D de formações meteorológicas e geológicas é um grande passo para os cientistas brasileiros, que controlarão os equipamentos em solo nacional.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.