Bebês nascidos no espaço serão considerados humanos? Biólogo entende que não

Bebês nascidos no espaço serão considerados humanos? Biólogo entende que não

Por Nathan Vieira | 26 de Julho de 2019 às 23h10
The Bump

O Business Insider trouxe à tona o ponto de vista de um biólogo evolucionista chamado Scott Solomon, a respeito de como seria a evolução do ser humano uma vez instalado permanentemente em algum lugar fora da Terra. Mais especificamente, o biólogo levantou ideias de como seriam os bebês nascidos nesse contexto, e chegou à conclusão de que essa espécie futurista pode não ser completamente humana.

Enquanto a humanidade ainda está concentrada em entender e explorar o espaço, esforços já estão sendo feitos para viabilizar a permanência constante de humanos em outros mundos — como possivelmente será uma viagem só de ida para Marte, coisa que pode acontecer já no final da década de 2030. E Scott Solomon já está um passo além, com a concentração voltada a um possível futuro da humanidade inserida em colônias além da Terra, onde, claro, bebês serão gerados para perpetuar a espécie. Mas que espécie será essa, exatamente?

Mudanças evolutivas na espécie humana

Segundo biólogo evolucionista, a espécie humana poderia evoluir de maneira bem diferente se vivesse no espaço (Foto: Pixabay)

O biólogo expôs sua teoria de que viver no espaço poderia levar a uma série de mudanças evolutivas na espécie humana: "Eventualmente, as pessoas que vivem no espaço podem evoluir para serem tão diferentes das pessoas na Terra, que nós as consideraríamos como espécies diferentes".

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Um dos pontos enfatizados por Solomon é que o ambiente de baixa gravidade do espaço diminui a densidade óssea, o que poderia aumentar o risco de uma mãe fraturar a pélvis durante o parto natural, e isso seria responsável por tornar o parto via cesariana como a única possibilidade para os exploradores espaciais, coisa que Solomon acredita que poderia "levar a cabeças maiores em nossos descendentes, porque eles não seriam limitados pelo tamanho do canal de nascimento".

Certo, a raça humana nascida no espaço sideral seria cabeçuda, mas o tamanho exorbitante da cabeça não é a única mudança evolucionária prevista pelo biólogo evolucionista. De acordo com as teorias de Scott, essa nova geração pode desenvolver "novos tipos de pigmentos da pele, como a melanina, que protege nossa pele da luz solar ultravioleta na Terra". Solomon ainda completa: "Isso pode significar que as gerações futuras que vivem além da Terra evoluirão para ter cores de pele diferentes".

Fonte: Business InsiderFuturism

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.