TikTok lança app de TV em parceria com a Amazon. Videos mais longos à caminho?

Por Rui Maciel | 06 de Agosto de 2020 às 15h45
konkarampelas/Pixabay
Tudo sobre

TikTok

Saiba tudo sobre TikTok

Ver mais

O TikTok está lançando um aplicativo que levará seus vídeos de curta duração para os dispositivos Fire TV, da Amazon, inicialmente nos EUA. A parceria marca a estreia da plataforma da ByteDace no mundo do streaming de TV. As informações são do site Business Insider.

O app leva o nome de More on TikTok e incluirá playlists e compilações de vídeos populares da plataforma, além de entrevistas com os criadores de conteúdos e os usuários mais populares do aplicativo, entre outros materiais. Nesta quinta-feira (06), tais conteúdos começam a ser inseridos nos dispositivos Fire TV e podem ser encontrados e abertas com a pesquisa por voz do Alexa.

No ato do lançamento, os conteúdos serão oferecidos apenas pelo TikTok, que passarão por um sistema de curadoria. Os usuários não poderão fazer login em suas contas, realizar upload de vídeos ou comprar e trocar moedas no aplicativo. Além disso, pelo menos inicialmente, o TikTok disse que não monetizará o aplicativo, que será gratuito para uso e não apresentará anúncios.

Nick Tran: ele afirma que a parceria com a Amazon será um campo de testes para vídeos mais longos no TikTok

"Sabemos que, durante esse período, muitas famílias e pessoas estão envolvidas, como um grupo coletivo, para assistir a qualquer entretenimento", disse Nick Tran, chefe de marketing global da TikTok. "Vemos muitas co-visualizações e é mais difícil fazer isso em um dispositivo móvel, então queríamos trazer outra saída para os usuários assistirem tudo. Ainda que você não esteja interagindo com o conteúdo, você confortavelmente acomodado e consumindo tudo".

Campo de testes para vídeos mais longos

O TikTok, que aumentou seu público durante a pandemia , está tratando o novo aplicativo como um experimento para ver como seus vídeos para dispositivos móveis se traduzem em aparelhos de TV. A empresa pretende ainda explorar vídeos e compilações no aplicativo OTT com duração superior a 60 segundos - atualmente a duração máxima dos vídeos que os usuários podem carregar no aplicativo móvel.

A plataforma terá ainda duas novas categorias de conteúdo no aplicativo: o In the Studio, que inclui entrevistas com estrelas no TikTok e o This Is TikTok, que mostra os criadores cotidianos na plataforma. Anteriormente, esse material de maior duração era hospedado principalmente no YouTube.

Tran também disse que o aplicativo OTT é um campo de teste ideal para conteúdo, como seu próximo evento de shows ao vivo com o The Weeknd. "Sabemos o quão envolvente é a experiência atual em dispositivos móveis", afirmou Tran", que começou naoTikTok em abril último, vindo do Hulu. "É difícil traduzir isso para o ambiente OTT . Nossa abordagem é permitir que a comunidade e nossos criadores experimentem várias coisas diferentes em escala".

Por sua vez, a Amazon disse que a entrada do TikTok no streaming para televisores ocorre quando o uso da Fire TV está aumentando entre os aplicativos que muitos considerariam utilizá-los em dispositivos móveis primeiro. A gigante do e-commerce afirmou ainda que isso vem ocorrendo também com os usuário do Fire TV. Outros aplicativos, como Facebook Watch, MasterClass, Peloton e Audible viram picos de uso no dispositivo de streaming da Amazon à medida que mais pessoas ficam em casa.

FireTV: aumento no consumo de conteúdos via apps a partir do dispositivo

De janeiro a junho, os aplicativos criados por desenvolvedores pioneiros em dispositivos móveis como os citados acima registraram um aumento de mais de 70% no total de horas no Fire TV nos EUA, em comparação com os seis meses anteriores. O ritmo médio de crescimento de usuários ativos entre esses aplicativos também foi o dobro de todos os apps do Fire TV nos EUA. E o YouTube tem sido, consistentemente, um dos 5 principais aplicativos do Fire TV, com um total de horas e clientes ativos.

"O conteúdo que costumávamos considerar a ser consumido primeiro nos dispositivos móveis, agora está sendo consumido na maior tela da casa", disse Matt Clark, diretor de envolvimento de parceiros de conteúdo e aplicativos da Amazon. "Estamos empolgados com o fato de esse conteúdo encontrar seu público na sala de estar e esperamos que essa tendência continue, mesmo depois que as pessoas não sejam mais obrigadas a ficar no local".

Pressão do governo Trump

Assim como aconteceu com a Huawei, o TikTok entrou na mira da guerra comercial e tecnológica entre EUA e China e cujo um dos mais incentivadores é Donald Trump. Com acusação de que o app espiona e rouba dados dos usuários norte-americanos para enviar ao governo chinês, o presidente dos EUA vem ameaçando proibir por completo o uso do TikTok no país.

E depois de muita pressão por parte do mandatário norte-americano e de diversos legisladores e agências regulatórias, a ByteDance estaria negociando a venda das operações do TikTok nos EUA por algo em torno de US$ 50 bilhões - e a Microsoft seria a principal candidata à compra. Inclusive, saberemos qual será o resultado dessa "pendenga" em até 45 dias, que seria o prazo máximo dado por Trump para que a operação seja concretizada.

A venda vem na contramão dos esforços que a ByteDance vem fazendo para distanciar o TikTok de suas raízes chinesas.A ação mais robusta nesse sentido ocorreu em maio desse ano, quando ela contratou o norte-americano para ser o CEO do TikTok. Mayer era o presidente da plataforma de streaming Disney+. Ou seja, mais "made in USA", impossível.

Para reforçar esse compromisso, o TikTok sempre afirmou também que não armazena dados de seus usuários em servidores chineses, embora isso tenha sido contestado em um processo de dezembro de 2019 movido por um deles. Um porta-voz do TikTok disse ao Business Insider que os dados do aplicativo são armazenados em servidores nos EUA, com backups em Cingapura. Nessa semana, a empresa também passou a contar com data centers na Irlanda.

Outra ação de distanciamento por parte da empresa ocorreu em julho último, quando o TikTok anunciou que estava retirando as operações de Hong Kong - ao lado de uma série de empresas de tecnologia dos EUA - após o governo chinês implementar leis de segurança mais duras e repressivas na região.

E, para completar, quando questionado se as pressões políticas afastariam o TikTok dos EUA, seu executivos responderam em comunicado: "O TikTok estará aqui por muitos anos".

A ver...

Fonte: Business Insider  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.