Crítica O Culpado │ A culpa que nos sufoca em um suspense de tirar o fôlego

Crítica O Culpado │ A culpa que nos sufoca em um suspense de tirar o fôlego

Por Durval Ramos | Editado por Jones Oliveira | 05 de Outubro de 2021 às 20h30
Divulgação/Netflix

A culpa é um sentimento bastante traiçoeiro. Ela envenena nosso pensamento e sabota nossas ações, pois sempre estamos tentando compensar um erro — por mais que ninguém esteja pedindo por isso. Assim, por mais bem intencionados que sejamos, ela está ali para enviesar nosso juízo, nossa forma de ver o mundo ou mesmo as nossas decisões. E O Culpado é uma bela demonstração de como esse sentimento é sufocante.

Para isso, o novo filme da Netflix produzido e estrelado por Jake Gyllenhaal nos coloca dentro da rotina de trabalho de Joe Baylor, um detetive de polícia que foi rebaixado a atendente do serviço de emergências. E é no que pode ser o seu último dia na função que ele recebe a ligação de uma jovem vítima de sequestro e precisa encontrar uma forma de ajudá-la.

O grande ponto aqui é o modo com que O Culpado conduz essa trama aparentemente simples. Toda a ação é mostrada a partir da perspectiva de seu protagonista, ou seja, de dentro de uma central telefônica. Sem poder ir às ruas solucionar o crime ou fazer as diligências necessárias para investigá-lo, tudo é limitado às informações que consegue por telefone — o que se torna cada vez mais agoniante à medida que a situação começa a se complicar.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Ao mesmo tempo, a própria história de Joe é desenvolvida dentro desse contexto, sendo uma espécie de mistério secundário que se desenrola em paralelo. Sabemos que ele foi realocado para o serviço administrativo, mas não exatamente o que aconteceu e nem por que isso o afeta tanto.

Toda a ação se passa dentro do serviço de emergência, o que torna tudo muito claustrofóbico e tenso (Imagem: Divulgação/Netflix)

E é a partir desse clima claustrofóbico que essas duas narrativas apresentam que O Culpado traz uma das mais intensas e melhores surpresas da Netflix neste ano.

De tirar o fôlego

O Culpado é uma excelente lembrança de que o cinema nem sempre precisa de grandes efeitos e cenas de ação monumentais para nos prender. Em muitos casos, basta uma boa história e um bom uso de câmera para criar toda a tensão que um suspense exige.

A ideia de um crime que precisa ser solucionado apenas pelo telefone não é necessariamente nova e já vimos coisas parecidas em outros filmes, como Por um Fio e Chamada de Emergência, isso sem falar de Culpa, o filme dinamarquês que inspirou este remake estadunidense da Netflix. O diferencial está no modo como o roteiro de Nic Pizzolatto (True Detective) constrói a tensão e como a cinematografia e a ambientação criam uma sensação de impotência que afeta não apenas o protagonista, mas o próprio espectador.

Gyllenhaal entrega uma excelente atuação e leva o filme praticamente sozinho nas costas (Imagem: Divulgação/Netflix)

Tanto que você se vê rapidamente envolvido naquela história e fica tão agoniado quanto o personagem de Gyllenhaal à espera de novas informações e imaginando a ação dos demais policiais apenas a partir de suas narrações pelo telefone. É um tipo de recurso simples, mas que funciona muito bem ao se encaixar na narrativa apresentada. Ouvir o policial falar sobre a cena do crime é muito mais agoniante do que realmente vê-la e isso faz com que, aos poucos, a gente passe a compartilhar da tensão que vai tomando conta de Baylor à medida que a situação vai se tornando mais urgente e ele não pode fazer nada.

E O Culpado sabe explorar muito bem essa tensão. Embora o drama pessoal do protagonista não seja nada interessante perto do crime em andamento, o filme se aproveita de seu cenário único e da própria situação claustrofóbica para criar esse efeito sufocante que extrapola o sequestro em si e passa a englobar todo o protagonista.

E é aí que a culpa entra em cena. Embora a gente não saiba ao certo o que aconteceu com o personagem de Gyllenhaal, é claro que há algo que afetou sua carreira e sua vida pessoal — e essa sensação de que precisa consertar e compensar esse erro é que o motiva a tomar decisões que nem sempre são as melhores. Não por acaso, suas crises de asma passam a ser mais frequentes: a cada minuto que passa, a situação se torna mais sufocante e a própria culpa lhe tira o fôlego.

Filme traz duas histórias que correm em paralelo, embora uma seja bem mais interessante do que a outra (Imagem: Divulgação/Netflix)

Assim, o que temos é uma história que se desenrola de forma bastante imprevisível e um protagonista que não reage nada bem a essas reviravoltas. A partir de uma atuação excelente de Gyllenhaal, vemos o quanto a culpa afeta Baylor e faz com que ele cada vez mais perca o controle da situação e ultrapasse limites que não deveriam ser avançados. E por mais que não saibamos ao certo o que aconteceu para que ele fosse parar no serviço de emergências, aos poucos vamos conhecendo mais desse personagem e entendendo o porquê de ele ter sido retirado das ruas.

Desequilíbrio e correria

Apesar da condução de dois mistérios em paralelo ser realmente muito tensa, a conexão entre eles não é tão clara quanto parece e, ao longo de todo o filme, você fica com a sensação de que as duas histórias não conversam. Ainda que seja fácil ver como a culpa liga Baylor à vítima do sequestro, a conexão entre as duas narrativas só acontece nos últimos minutos do filme e, até lá, você fica com a sensação de que uma história está atrapalhando a outra.

Isso não chega a ser um grande problema, mas é inegável que o mistério do sequestro é muito mais interessante do que o drama do policial rebaixado. Tanto que, em vários momentos, você se sente incomodado quando a trama pessoal invade a criminal.

Além disso, sem entrar em spoilers, a revelação do que aconteceu com Joe Baylor é muito menos impactante do que a reviravolta que o crime oferece — ainda mais para nós, brasileiros, infelizmente. Tanto que, tão logo o primeiro mistério é solucionado, o filme não se importa em acelerar as coisas e entrega um final bastante apressado por saber que ele não vai conseguir gerar o mesmo efeito do que foi mostrado até então.

Ainda assim, não é nada que estrague o clima construído até ali. Mesmo com essa perda de ritmo, O Culpado entrega um suspense que faz um excelente trabalho com muito pouco. Por mais que nem todas as reviravoltas sejam brilhantes, a forma como ele conduz o espectador ainda faz tudo valer a pena.

O Culpado está disponível no catálogo da Netflix para todos os assinantes.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.