O Caso Evandro | Conheça a história da nova série documental do Globoplay

O Caso Evandro | Conheça a história da nova série documental do Globoplay

Por Natalie Rosa | Editado por Jones Oliveira | 18 de Maio de 2021 às 11h41
Globoplay

No início da década de 1990, algumas regiões do Brasil sofreram com o desaparecimento de crianças, o que não só causou a revolta da população, como também provocou sentimento de desespero por parte de familiares que poderiam ser vítimas desses ataques. E essa onda de sequestros atingiu uma família da cidade litorânea de Guaratuba, no Paraná.

Essa é a história principal da série documental Caso Evandro, que acaba de estrear no Globoplay. A produção é derivada de uma série de podcasts chamada Projeto Humanos, comandada pelo jornalista Ivan Mizanzuk. O documentário chamou a atenção de todo o Brasil tanto por destrinchar a história de uma época cheia de mistérios até hoje, como por revelar novas informações sobre o ocorrido.

Imagem: Divulgação/Globoplay

O Caso Evandro

Evandro Ramos Caetano desapareceu no ano de 1992 na cidade de Guaratuba, que fica no litoral do Paraná, a cerca de duas horas da distância da capital, Curitiba. Diferente de muitas crianças que sumiram na época, Evandro foi encontrado dias depois do seu sumiço, mas infelizmente sem vida. O corpo da criança mostrava um crime de extrema brutalidade, o que horrorizou o Brasil inteiro, e a busca por culpados deixou a história ainda mais assustadora. Meses depois do assassinato, sete pessoas confessaram o crime, que teria sido feito por meio de um ritual. Porém, o caso ainda não estava nada resolvido.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A investigação do caso por Ivan Mizanzuk começou ainda em 2015, mas foi em 2018 que ele uniu a grande quantidade de material coletado para criar a nova temporada do podcast Projeto Humanos. Em 2020, o programa apresentou a descoberta de novas fitas e trouxe uma reviravolta para o desfecho do caso, que é conhecido como o julgamento mais longo já registrado no Brasil.

"Tentei ser o mais respeitoso possível. Infelizmente, quando um crime acontece, ele se torna uma história da sociedade. Falar de crime é lidar com a dor dos outros e abrir feridas. Tudo que produzi até hoje serve para entender local, contexto e sistema. O Caso Evandro é um grande ensinamento sobre como é o nosso sistema criminal", conta Mizanzuk. O criador do podcast revela ainda que, na época, tinha uma idade aproximada da de Evandro e se lembra da história que circulava sobre as "bruxas de Guaratuba".

Imagem: Divulgação/Globoplay

"Eu vivi parte do pânico que ele causou — tinha oito anos na época e cresci com o medo de ser sequestrado. Tudo o que eu pesquisava sobre a história na internet me deixava confuso: havia pedaços aqui e ali, mas não havia um lugar em que tudo era explicado de maneira coesa, apresentando em profundidade todos os lados e fazendo uma profunda investigação de forma imparcial. A escolha desse caso me pareceu natural, e de certa forma serviu para exorcizar alguns demônios pessoais da minha infância", explica Ivan.

A ideia de transformar o podcast em uma série para o Globoplay foi de Mayra Lucas, da Gaz, que já acompanhava este formato de programa. Quando foi apresentada ao Projeto Humanos, decidiu que seria uma ótima ideia adaptá-lo para a televisão. "Entrei em contato com o Ivan, que me contou muita coisa sobre o caso, e eu tive a certeza de que realmente aquela história tinha conteúdo para um ótimo projeto audiovisual", diz a produtora.

Do áudio ao audiovisual

O podcast Projeto Humanos traz informações bastante detalhadas e longas sobre o caso do assassinato de Evandro, que totaliza mais de 40 horas de áudio. O programa precisou ser mais longo devido à falta de imagens, pois é necessário contextualizar o momento em que as coisas estavam acontecendo. Aly Muritiba, diretor-geral da série documental para o Globoplay, diz que é mais fácil contar uma história mais curta através de uma produção com imagens.

Muritiba contou ao Canaltech que o principal desafio foi transformar todas essas 40 horas de material em oito, mantendo a seriedade e a profundidade das pesquisas. O diretor conta que foram nove meses de trabalho intenso. "A linguagem audiovisual, sem dúvidas, foi nossa grande aliada, pois com ela conseguimos transmitir as informações e, ao mesmo tempo, causar sensações nos telespectadores, com mais recursos que o podcast, que, por contar apenas com áudio, não conseguiria. Elaboramos um produto novo, baseado nas informações coletadas e investigadas por Mizanzuk, sem perder a essência e profundidade, o que era uma das nossas maiores preocupações", explica.

Aly diz ainda que a série documental não deixou de se apoiar nos documentos importantes para o andamento da história, que foram obtidos ao longo dos anos por Mizanzuk, mas também trazendo novidades. "Além disso, no podcast, a gente tem Ivan como condutor de toda a história se baseando sempre nos autos do processo. Na série, partimos dos autos, mas temos também o uso de entrevistas com pessoas que participaram de todo o processo e do caso, de advogados, especialistas", explica Muritiba. Ivan diz que o conteúdo é o mesmo, mas a forma em que a história é apresentada é ainda mais poderosa.

Imagem: Divulgação/Globoplay

Ivan conta que quando começou a produção do podcast, não conhecia o termo "true crime", ou crime real na tradução literal e nem que existiam fãs aficionados pelo tema. "Eu, particularmente, sempre me incomodei com a forma que os crimes eram tratados na cultura popular brasileira. Com algumas exceções, claro, grande parte da cobertura de crimes sempre foi para um lado muito sensacionalista. Eu prefiro contar o crime e ir além dele", diz o criador da série Caso Evandro.

O Canaltech também perguntou a Ivan em relação ao debate público gerado pela abordagem de um crime real dentro do entretenimento. "Costumo dizer que contar histórias de crimes reais é importante por dois motivos: primeiro, para que aprendamos a debater questões essenciais sobre a segurança pública, e segundo, para que possamos refletir onde é e como nós, como sociedade, falhamos ao permitir que uma tragédia dessas acontecesse. Espero que produções, como as minhas, possam ajudar a melhorar o debate público sobre segurança no país e até no mundo", complementa.

A série documental foi gravada na cidade onde o crime aconteceu, Guaratuba, contando não só com simulações, como também com entrevistas. Muritiba reforça que um dos atrativos para quem já é fã do podcast é o fato de poder ver os rostos tão mencionados no programa: "Eles ainda vão poder ver matérias jornalísticas da época em ótima qualidade — fizemos um trabalho de recuperação desse material. Também acho que conseguimos potencializar ainda mais os ganchos que chamam o próximo episódio, que é algo muito marcante no podcast".

A série documental Caso Evandro estreou no dia 13 de maio no Globoplay com dois episódios, e os próximos serão lançados gradualmente nos dias 20/05, 27/05, 03/06 e 10/06.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.