Astrônomos descobrem novo planeta gigante em formação

Por Redação | 03 de Janeiro de 2013 às 11h45

Graças às 66 antenas do maior projeto astronômico do mundo (ALMA) instaladas no deserto do Atacama, no Chile, pesquisadores conseguiram ver pela primeira vez o nascimento de um planeta que é alimentado por correntes de gás.

A estrela, chamada de 'HD 142527', situa-se a uma distância de 450 anos-luz da Terra e é envolta por um gigante disco de gás e poeira cósmica. O acompanhamento do processo de alimentação dessa jovem estrela deu aos astrônomos a primeira prova concreta do nascimento de planetas gigantes a partir da absorção de fluxos externos de gás.

"Os astrônomos haviam previsto a existência desses fluxos, mas esta é a primeira vez que fomos capazes de observar diretamente", diz Simon Casassus, chefe do estudo, em um comunicado do Observatório Europeu Austral (ESO).

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Os telescópios da ALMA ajudaram os astrônomos a enxergar mais de perto a estrela e a perceber as correntes de gás, que fluem pelo espaço vazio, no interior de um disco de material cósmico situado ao redor do astro. Os pesquisadores do ESO notaram que o disco que envolve a 'HD 142527' se divide em duas partes: o primeiro é interno, parte da própria estrela e se estende a uma distância que equivale à órbita de Saturno ao redor do Sol. Já o segundo disco é externo e fica a uma distância cerca de 14 vezes maior.

Esse espaço que separa as duas partes do disco já era conhecido, mas a equipe descobriu também um gás difuso que permanece no local e duas correntes mais densas de gás que fluem do disco externo, passando pelo espaço vazio, até o disco interior.

"Nós acreditamos que há um planeta gigante escondido no interior do disco e que ele é a causa dessas duas correntes. Os planetas crescem absorvendo gás do disco externo, mas na realidade eles "comem como porcos": o resto do gás transborda e alimenta o disco interno em torno da estrela", explica Sebastian Pérez, um membro da equipe da Universidade do Chile que trabalha com Casassus.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.