O que é open delivery e como isso deve mudar o mercado de entregas?

O que é open delivery e como isso deve mudar o mercado de entregas?

Por Márcio Padrão | Editado por Claudio Yuge | 16 de Setembro de 2021 às 10h20
amenic181/Envato

Se você acompanha bem o noticiário já deve ter ouvido falar do open banking, um futuro modelo de padronização do sistema financeiro em que os dados de clientes serão facilmente compartilhados, para que o consumidor possa migrar de um banco a outro sem problemas. Agora o setor de entregas discute algo parecido: o open delivery.

Antes de explicar isso, é preciso trazer um pouco de contexto. Este mercado é formado por diferentes atores: há os apps e plataformas, que funcionam no esquema marketplace, isto é, como um espaço livre para quem quiser vender seus alimentos; há os bares, restaurantes, cozinhas, supermercados e fornecedores de marmitas, que gerenciam o fluxo de refeições; há os entregadores e sua respectiva logística; há sistemas que aceitam diferentes formas de pagamento; e claro, há os clientes.

Até então, cada plataforma de delivery fazia tudo do seu jeito, com seus próprios softwares de gestão e tratamento de dados. Se um restaurante aderir ao iFood, precisa se cadastrar, mas se quiser também estar no Uber Eats, vai ter que repetir o processo todo, com pequenas alterações. Em resumo, em termos de tecnologia da informação as plataformas não "conversam" entre si. "Isso cria uma complexidade muito alta, e não só com dados de pedidos, mas sobre os cardápios, endereços de entrega, formas de pagamentos", explica Miguel Neto, CEO da Quero, plataforma de Sergipe.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O que o modelo de open delivery fará, pelo menos na teoria, é padronizar tudo. Os debates ainda estão ocorrendo por iniciativa da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), mas se as empresas decidirem os protocolos de tecnologia, um mesmo sistema de código aberto será responsável pela gestão de todas os serviços de entrega. E com isso, bares e restaurantes teriam mais liberdade para entrar ou sair de qualquer plataforma.

“É uma solução que uniformiza as informações, poupa tempo e facilita a conexão dos estabelecimentos a plataformas, além de organizar a relação entre players [empresas] de logística, tecnologia, pagamentos. Isso traz mais competição e, portanto, mais produtividade e eficiência para o delivery. Uma solução democrática e inclusiva”, diz o presidente-executivo da Abrasel, Paulo Solmucci, no site da entidade.

A concorrência será mais justa, na visão de quem encampa a ideia. "Se você tem um player que domina mais da metade do mercado, cria-se uma dependência muito grande dele, como é o caso do iFood. A Abrasel viu isso e com o open delivery espera tirar esse padrão do iFood, para que outras plataformas consigam participar", argumenta.

Imagem: Reprodução/Kai Pilger/Unsplash

Segundo a Folha de S. Paulo, o projeto já chegou à primeira versão e foi apresentado a restaurantes na segunda (13). "As empresas de maior relevância ainda estão reticentes a aderir, pois como é uma coisa muito nova, há vários interesses de cada empresa. Mas quase todas as plataformas sao entusiastas a isso", afirma Neto.

A reportagem da Folha diz que o iFood aceitou o convite da Abrasel para participar do conselho de governança do open delivery, mas não definiu ainda se irá aderir à futura plataforma. O Rappi dizer pensar a respeito, e o Uber, dona do Uber Eats, não respondeu.

De acordo com a Abrasel, as vantagens do modelo são:

  • Facilidade de conexão: com um modelo aberto, a troca e transferência de dados dos restaurantes fluirá mais facilmente entre plataformas ;
  • Mais visibilidade para restaurantes: um pequeno estabelecimento que antes só constava em um ou dois serviços poderá estar em todos de forma simples, ampliando sua presença digital;
  • Melhor gestão de dados: eventuais alterações e atualizações poderão ocorrer em várias plataformas ao mesmo tempo, como novos itens no cardápio ou mudança de endereço;
  • Melhor logística: o novo modelo deve permitir uma conexão mais fácil dos restaurantes com todas as empresas terceirizadas de entregas de refeições;
  • Taxas menores: os preços cobrados pelas plataformas poderão cair com o aumento da concorrência:
  • Reduz chances de monopólios: em março deste ano, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (SG/Cade) impôs, uma medida preventiva contra o iFood para proibi-lo de firmar contratos de exclusividade com restaurantes usando de seu poder de mercado. O modelo open delivery será um aditivo para manter o livre mercado e evitar situações como esta, segundo a Abrasel.

Só o tempo dirá se o open delivery vai vingar. Por ora, novas startups do setor, como Quiq e Delivery Center, já fazem experimentos com plataformas abertas. Há ainda a expectativa de fomento de novas empresas para o setor caso as grandes empresas decidam unificar seus protocolos.

Fonte: Abrasel, Folha de S. Paulo

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.