Microempreendedores apostam mais em WhatsApp e redes sociais do que site próprio

Microempreendedores apostam mais em WhatsApp e redes sociais do que site próprio

Por Roseli Andrion | Editado por Claudio Yuge | 13 de Julho de 2021 às 09h30
Envato/seventyfourimages

Você já procurou por uma empresa na internet e não encontrou o site dela? Segundo a pesquisa “MEIs - Microempreendedores Individuais”, do UOL, há grandes chances de que isso já tenha ocorrido: ela mostra que 78% dos microempreendedores brasileiros não têm site para divulgação de serviços ou produtos.

Embora a modalidade MEI exista desde 2009 (para abranger profissionais autônomos e pequenos empresários que, muitas vezes, trabalham de maneira informal), é comum que ainda optem por confiar inteiramente nas redes sociais para divulgar suas atividades. Entre elas, o destaque é o WhatsApp, com 88%, seguido por Facebook (70%), Instagram (69%) e TikTok (20%).

Para Ricardo Leite, diretor de produtos digitais do UOL, o levantamento mostra que ter o próprio negócio é um caminho repleto de desafios. “Principalmente quando a maioria, além de administrar o empreendimento, também precisa entender quais são as leis e os seguros disponíveis”, avalia.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Imagem: Reprodução/Elements/ckstockphoto

De acordo com o estudo, 55% dos empreendedores participantes escolheram ser MEIs para regularizar o trabalho e receber benefícios previdenciários. Além disso, 34% estão em busca de realizar o próprio sonho e 33% têm MEI para prestar serviços a outras empresas.

Participaram da pesquisa 200 MEIs de todo o Brasil, vindos de todas as classes sociais, entre 10 e 16 de maio de 2021. Eles responderam a um questionário online pela plataforma MindMiners, que verificou que o perfil microempresarial brasileiro é composto por 52% de pessoas do gênero feminino. Entre os respondentes, a faixa etária mais representativa é de 25 a 34 anos (28,5%).

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.