E3 2019 | Ubisoft exibe gameplay e data de lançamento de Watch Dogs Legion

Por Rafael Arbulu | 10 de Junho de 2019 às 17h42
Ubisoft
Tudo sobre

Ubisoft

Saiba tudo sobre Ubisoft

Ver mais

Não que fosse uma novidade, mas a Ubisoft mostrou Watch Dogs Legion em sua conferência na E3 2019 na tarde desta segunda-feira (10). Enquanto a presença do jogo já era conhecida, porém, seu funcionamento e gameplay eram segredo até agora. E pelo que o trailer promete, esse será o jogo a redimir a série.

“Jogue como qualquer um” é o slogan do terceiro jogo da franquia: você tem missões em origem e entrada de cada personagem no coletivo hacker Dedsec, e todas as premissas e gerenciamento do grupo são feitos por uma inteligência artificial com diálogo bastante evoluído (e metido a piadinhas infames). A cada personagem trocado, ela é a única constante.

Outro ponto interessante: a Ubisoft encontrou uma forma de continuar a partida mesmo diante de um permadeath — cada personagem que você controla não volta depois de ser tombado pelos inimigos, dando lugar a outro recruta do Dedsec, que recebe da inteligência artificial um tipo de briefing. “Aquele outro fulano estava na missão XYZ e fez isso aqui, mas as autoridades o mataram”. A partir daí, você retoma o trabalho sob a pele de outra pessoa. Em outras palavras, a IA é o real protagonista do jogo.

(Captura de Imagem: Rafael Arbulu)

Na mecânica de jogo, tudo parece similar aos jogos predecessores: há momentos de stealth, com invasões a galpões e bases de inimigos fortemente armados, gadgets que hackeiam câmeras e outros dispositivos e o bom e velho combate. Há, porém, uma aparente evolução no modo corpo a corpo, com movimentos mais realistas e sinérgicos ao pano de fundo que serve de enredo para cada personagem. No vídeo exibido, uma velhinha não entende muito bem da pancadaria, mas conta com astúcia e inteligência, ao passo que uma lutadora de MMA amadora derruba qualquer inimigo no braço e aplica facilmente chaves de braço/perna e estrangulamentos. É o tipo de coerência que faltou nos jogos anteriores.

"Se você recruta uma velhinha e chega em uma situação climática de combate com um policial em armadura; e se você pega um ex-fuzileiro e chega nessa mesma batalha, as coisas têm que ser diferentes entre si: animações, sons, movimentos, voz. Nada se repete", diz o diretor de criação do jogo, Clint Hocking, em vídeo comentado. 

Liz England, chefe da equipe de design, explica que a ideia é criar uma progressão narrativa que considere os principais traços de cada pessoa no jogo: "Em Watch Dogs Legion, temos pessoas que são boas em socar e chutar; algumas pessoas são boas com armas, outras são boas em stealth ou hackear (...). Isso meio que funciona como uma forma de encorajar o jogador a explorar o mundo aberto".

A Ubisoft ainda informa que a resposta dos inimigos dependerá muito da sua abordagem: se você escolher progredir de forma não letal, os oponentes tentarão prendê-lo; mas se por um acaso você matar alguém, então o jogo responderá na mesma moeda. Essa mesma mecânica também se fez presente nos jogos anteriores, embora em menor grau.

Há, porém, um investimento maior da publisher francesa no aspecto RPG do jogo: são pelo menos três categorias de personagens — Hacker, Infiltração e Ataque — e cada um conta com habilidades diretamente relacionadas com o seu histórico e aptidões. Não é nada que não tenhamos vistos em outros jogos por aí, mas é bom ver como as coisas estão tomando um rumo bem diversificado em Watch Dogs Legion. Mais além, as categorias não são restritivas: um personagem de infiltração pode ser, ao mesmo tempo, um agente do MI6 ou um piloto de corridas ilegais, cada um com sua habilidade específica.

No enredo, os detalhes ainda são desconhecidos, mas ele tira muito do mundo real: ambientado em Londres, Watch Dogs Legion se passa em uma metrópole tomada pelo estado policial de constante vigilância. Menções ao Brexit e imagens de governantes com visual que remete à agora ex-primeira ministra Teresa May mostram o descontentamento da cidade e, com isso, cria uma justificativa para que a maioria dos personagens não controláveis torne-se um potencial herói. É, não são “todos”, como a Ubisoft gosta de colocar em seu slogan, mas é muita gente.

Há uma conceitualização interessante por trás de alguns momentos repetidos e re-ensaiados dos jogos anteriores, mas a Ubisoft abriu a sua conferência deste ano com esse jogo, e o universo expansivo dele promete sanar alguns problemas que vimos nos dois primeiros títulos.

Watch Dogs Legion tem lançamento marcado para o dia 6 de março de 2020 no PlayStation 4, Xbox One, PC e Google Stadia.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.