Amazon limita compra de máscaras somente a instituições de saúde nos EUA

Por Wagner Wakka | 06 de Abril de 2020 às 19h30
Amazon
Tudo sobre

Amazon

Saiba tudo sobre Amazon

Ver mais

A Amazon começou a restringir a venda de equipamentos médicos somente para hospitais e organizações de saúde com foco no combate à COVID-19. Segundo reportagem da Vox, a gigante passou a limitar a venda de produtos como máscaras N95, luvas e outros itens sanitários somente a estes compradores.

Para pedir os produtos, as organizações e governos precisam preencher um formulário de confirmação se a instituição se qualifica para recebê-los. A companhia também informou que não vai mais cobrar comissão de venda destes itens, exatamente para motivar que reduzam o preço.

Esta mudança faz parte de outras que a Amazon já tinha tomado. No mês passado, ela anunciou que priorizaria também a entrega para hospitais e instituições de saúde. Além disso, manteria em estoque, como prioridade, itens de primeira necessidade, como higiene e alimentação.

Para os outros produtos, a companhia informa que os vendedores dentro do seu martketplace vão precisar arcar com os envios, sem passar pelos armazéns da Amazon.

“Temos visto um aumento de compra online e, como resultado, alguns produtos, como os de uso doméstico e suprimentos médicos, não estão no estoque”, disse a companhia à Vox. “Entendemos que esta é uma mudança para nossos parceiros de venda e gostaríamos que entendessem que estamos temporariamente priorizando estes produtos para nossos clientes”.

O Canaltech buscou contato com a empresa no Brasil para saber se as mudanças também se aplicam ao território nacional, e aguarda resposta.

Fonte: Vox

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.