Ações da Saraiva disparam após novo rumor de compra pela Amazon

Por Redação | 28 de Junho de 2017 às 10h27
Tudo sobre

Amazon

Novos boatos de compra pela Amazon levaram as ações da Saraiva a uma intensa alta no final da tarde desta terça-feira (27). O movimento de subida levou os papéis da companhia a uma valorização de 21,62%, fechando o dia de pregão a R$ 5,40. Apesar disso, o dia ainda foi de queda para a Ibovespa, com os investidores temerários quanto à crise política e as denúncias de corrupção contra o presidente Michel Temer.

A subida já no fim das negociações tem a ver com o momento em que os boatos foram publicados. No final da tarde, o site O Antagonista divulgou nota afirmando que a Saraiva estava prestes a anunciar sua venda para a Amazon, um negócio de US$ 200 milhões e equivalente a cerca de sete vezes o valor de mercado atual da empresa.

Os rumores, entretanto, foram negados na manhã desta quarta (28) pela Amazon. A empresa é tradicionalmente evasiva quando o assunto são transações como essa (principalmente devido ao fato de que, muitas vezes, os rumores são certeiros), mas agora negou a possibilidade de compra. A empresa de comércio eletrônico disse que os rumores são infundados, sem dar mais detalhes sobre um possível interesse ou negativa em acordos para aquisição.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Não é de hoje, entretanto, que circulam boatos de que a Amazon estaria de olho em alguma gigante do mercado brasileiro, mais especificamente, a própria Saraiva. As informações sobre isso já rodam há mais de seis anos e se intensificaram nos últimos dois, principalmente depois que a companhia lançou sua operação no Brasil -- por enquanto operando apenas via internet e na venda de livros ou e-readers.

Adquirir uma das grandes, como a Saraiva, seria uma forma de a Amazon entrar de cabeça em nosso mercado, atingindo, inclusive, a grande parcela de clientes que ainda utiliza lojas físicas. Com uma aquisição, a companhia americana também seria capaz de começar, rapidamente, a vender outros tipos de produtos sem precisar compor um estoque próprio, aproveitando-se de acordos e compras já firmadas pelos novos parceiros.

A nota publicada ontem, inclusive, já trazia um reflexo disso, afirmando que o primeiro efeito direto de uma compra da Saraiva pela Amazon seria não apenas a venda de mais itens além de livros, mas também a retirada deles em lojas físicas pelo país. É um método já usado por aqui pela Livraria Cultura, por exemplo, que garante economia de frete e até mesmo uma entrega mais rápida para clientes das cidades em que opera.

Outras companhias já foram citadas como possíveis alvos de interesse da Amazon, como o Magazine Luíza e a própria Livraria Cultura – que poderiam passar por processos de fusão, e não necessariamente de compra. Entretanto, nada jamais foi confirmado e, pelo menos por enquanto, a gigante do e-commerce deve continuar com suas operações modestas por aqui.

Fontes: O Antagonista, Publish News

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.