Navio naufragado há mais de 500 anos é encontrado quase intacto na Europa

Por Natalie Rosa | 23 de Julho de 2019 às 22h30
Reprodução: Deep Sea Productions/MMT

Foi encontrado no Mar do Báltico, no norte da Europa, um navio naufragado e tão preservado que está quase intacto, possivelmente posicionado lá por cerca de 500 anos. Segundo arqueólogos, o navio pode ter afundado ainda na era do Renascimento, entre o final do século XV e início do século XVI, na era de Cristóvão Colombo e Leonardo DaVinci, como nota o Science Alert.

Na época, não era comum que as pessoas nomeassem os seus barcos; portanto, a origem precisa do navio ainda é desconhecida. Por enquanto, ele está sendo chamado de Okänt Skepp, que significa "navio desconhecido" em sueco.

Rodrigo Pacheco-Ruiz, arqueólog da empresa de pesquisas marítimas MMT, conta que o casco está intacto e os mastros no lugar, quase "como se tivesse afundado ontem", diz. No convés principal, inclusive, ainda está um barco utilizado para transportar a tripulação para dentro e fora do navio.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Os primeiros vestígios de que haveria algo diferente no fundo do mar,o 140 metros abaixo da superfície, surgiram ainda em 2009, quando a Administração Marítima da Suécia fez uma varredura no local. Mas foi somente neste ano que o naufrágio foi confirmado, assim que houve uma inspeção no fundo do mar para a instalação de um gasoduto de gás natural.

Então, os cientistas usaram veículos remotamente operados para fazer levantamentos fotogramétricos do navio, conseguindo modelos 3D de alta resolução para um estudo mais profundo.

O navio mede entre 16 a 18 metros de comprimento, aproximadamente, sendo apenas um pouco menor do que o navio de Colombo, o Santa Maria, que contava com 19 metros. De acordo com os cientistas, o que pode ter colaborado para a preservação do navio são as águas frias do Mar Báltico, que também possuem baixo teor de oxigênio e são levemente salgadas.

A descoberta é bastante relevante para a história, mas este ainda não é o mais intacto entre os navios afundados no Mar Báltico, ficando atrás do Mars, que afundou na Primeira Batalha de Öland em 1564, e do grande navio de guerra Vasa, que afundou em 1628 em sua primeira viagem inaugural.

Agora, falta aos pesquisadores descobrirem o motivo de o navio ter afundado.

Fonte: The New York Times, Science Alert 

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.