Por que as lâmpadas fluorescentes são mais eficientes do que as incandescentes?

Por Redação | 24.07.2012 às 20:45 - atualizado em 24.07.2012 às 21:07

Antes de entender qual das duas é mais eficiente, vamos explicar como funcionam as lâmpadas incandescentes - ou lâmpadas normais. A ideia por trás delas é relativamente simples: uma corrente elétrica passa através de um filamento de tungstênio que fica dentro da esfera de vidro. Porém, este filamento é tão fino que oferece certa resistência à eletricidade, o que transforma a energia elétrica em calor que aquece o filamento e o torna incandescente, produzindo a luz.

Segundo o site How Stuff Works, o problema com as lâmpadas incandescentes é que o calor desperdiça muita eletricidade. Para se ter ideia, apenas 5% da energia elétrica consumida é transformada em luz. Os outros 95% são transformados apenas em calor.

Lâmpada incandescente

Já as lâmpadas fluorescentes utilizam um método completamente diferente para produzir luz. São dois eletrodos em formato de filamentos em ambas as extremidades de um tubo fluorescente repleto de um gás que contém vapor de mercúrio e argônio mantidos em baixa pressão. A parte interna deste tubo é revestida de pó de fósforo.

Quando acendemos a lâmpada, a corrente flui pelo circuito elétrico até os eletrodos. Assim, um fluxo de elétrons flui através do gás e passa de um eletrodo para o outro. Essa energia gerada modifica parte do mercúrio dentro do tubo e quando os elétrons se chocam com os átomos dos gases de mercúrio, eles são excitados. Essa excitação joga-os para níveis de energia mais altos.

Quando os elétrons voltam para seus níveis de energia originais, eles emitem fótons de luz que acertam o fósforo que reveste o tubo, criando assim a luz visível.

Por produzir menos calor, as lâmpadas fluorescentes chegam a ser até quatro vezes mais eficientes - e econômicas - do que as incandescentes. Lembre-se disso quando for trocar as lâmpadas da sua casa ou escritório!

Lâmpada fluorescente