A ciência explica: por que os seus fones de ouvido sempre ficam enrolados?

Por Redação | 23.06.2014 às 16:30 - atualizado em 23.06.2014 às 20:10
photo_camera Divulgação

Pare e pense: quanto tempo você já levou para desenrolar aquele fone de ouvido "perdido" dentro da sua bolsa, mochila ou bolso? Esse é um problema que não faz distinção de classes, nem de modelo de aparelho, seja ele um tablet, um smartphone ou notebook, principalmente para quem tem o costume de utilizar fones com fios nesses dispositivos. Afinal, por que isso acontece? Seria alguma força do destino ou a famosa Lei de Murphy?

Não exatamente. Acontece que existe um estudo científico para explicar o verdadeiro motivo dos nossos fones de ouvido ficarem embolados dentro (ou fora) de quase todos os locais. E tudo não passa de uma questão de matemática, segundo os autores do relatório, Dorian M. Raymer e Douglas E. Smith, da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos. A pesquisa fez tanto sucesso que ganhou o prêmio Ig Nobel na categoria de física, como informa o site Business Insider.

Intitulado "Amarração espontânea de um fio agitado", o estudo foi publicado em 2007 e consiste em um experimento bastante simples. Primeiro, os cientistas jogaram um fio em uma caixa e a giraram por alguns segundos em velocidades distintas e nos mais variados lugares, simulando justamente a movimentação do nosso dia a dia quando estamos com os cabos dentro do bolso ou da mochila. Esse processo foi repetido exatas 3.415 vezes e, em cada uma delas, foram observados os nós formados pela agitação da caixa.

No total, os físicos classificaram 120 tipos de nós diferentes enrolados até sete vezes entre si. A partir daí, deu-se início à segunda parte do estudo, quando os pesquisadores aplicaram um cálculo matemático de probabilidade em cada tipo de nó para determinar como a forma, comprimento e grossura de cada fio eram embolados dentro da caixa, de acordo com a velocidade de rotação. A imagem abaixo reúne alguns exemplos de como os fios se entrelaçaram de várias maneiras e a conclusão foi a seguinte: quanto maior forem os cabos, mais chances eles têm de se enrolarem e criarem nós.

Fones de ouvido

Para sermos mais específicos, fios com menos de 46 cm de comprimento quase nunca vão se emaranhar em si mesmos se forem guardados corretamente, mas a probabilidade aumenta drasticamente se os cabos tiverem entre 46 cm e 150 cm. A possibilidade de formação de nós cresce ainda mais (cerca de 50%) se os fios forem mais longo que esse comprimento. Levando em consideração que a maioria dos fones de ouvido possui em média 1,5 m, não é de se espantar que eles saiam completamente embolados de todos os compartimentos em que ficam armazenados.

E existe um jeito de resolver isso tudo? Bom, a não ser que o cabo do seu fone tenha menos de 46 cm, não há muito o que fazer. Isso porque a estrutura e composição dos fones de ouvido criam uma tendência perfeita para que eles se enrolem e formem espirais e, mesmo se o cabo for enrolado em círculo – provavelmente a forma como todos nós o guardamos –, ainda há chances de formação de nós.

Os cientistas ainda destacam alguns pontos importantes para evitar que o seu fone de ouvido vire um emaranhado de cabos dentro da mochila. A regra essencial é manter uma das pontas longe da outra no local de armazenamento do acessório, seja uma bolsa, carteira ou até mesmo deixá-lo jogado em cima de uma mesa ou superfície plana. Lembre-se que o espaço ocupado pelo cabo influencia diretamente na formação de nós, assim como a espessura do cabo. Quanto mais fino ele for, maior a chance de formar nós.

Com uma vida cada vez mais corrida, talvez não tenhamos tempo e nem memória para lembrar disso no dia a dia. Por isso fica aqui um vídeo feito pelo pessoal do Lifehacker que mostra algumas maneiras de enrolar e guardar os seus fones de ouvido corretamente: