Congressistas nos EUA e Europa já começam a se opor à criptomoeda do Facebook

Por Wagner Wakka | 19 de Junho de 2019 às 10h33
Tudo sobre

Facebook

Saiba tudo sobre Facebook

Ver mais

Não fez nem um dia que o Facebook anunciou a sua criptomoeda chamada Libra e congressistas tanto dos Estados Unidos quanto da União Europeia já esboçaram preocupação sobre o novo mecanismo monetário.

De forma geral, a preocupação primeiro surge em relação aos grupos que encabeçam e controlarão a moeda. Entre eles estão PayPal, MasterCard, Uber, eBay e a Calibra, uma nova subsidiária do Facebook. Segundo a companhia da rede social, a proposta é levar sistema de bancos a populações desprivilegiadas.

Nos Estados Unidos, a voz mais crítica sobre a moeda foi a da congressista Maxine Waters. Em fala na tarde desta terça-feira (18), ela chamou atenção para os escândalos recentes de privacidade da rede social. Para ela, é necessário um período de moratória antes que o Facebook coloque a Libra para circular:

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

“Dado o passado turbulento da companhia, estou pedindo que o Facebook concorde com uma moratória antes de seguir com o desenvolvimento da criptomoeda até que o Congresso e reguladores tenham a oportunidade de examinar os problemas e tomar devidas ações”.

Ela foi apoiada por colegas como o senador Sherrod Brown, que disse “não poder permitir que o Facebook assuma o risco de uma nova criptomoeda”. Outros três parlamentares também se opuseram à movimentação da rede social.

Europa

Já na União Europeia, quem levantou a polêmica foi o ministro francês Bruno Le Marie. Para ele, “está fora de cogitação que o Libra se torne uma moeda soberana”, disse em entrevista ao Bloomberg. “Isso não pode, nem vai acontecer, reforçou.

Ele ainda convocou os bancos centrais dos países do G7 para prepararem um documento sobre o Libra. O grupo tem uma reunião em julho e deve discutir o assunto.

Em resposta, o Facebook disse que “vai buscar responder as questões de legisladores na medida em que o processo for acontecendo”. A defesa da rede social é que a sua subsidiária Calibra será a barreira de separação entre questões do Facebook com o sistema do Libra, motivo da criação de uma nova empresa.

Fonte: VICE

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.