Cientistas russos são presos após minerar bitcoin em supercomputador

Por Ricardo Ballarine | 20 de Fevereiro de 2018 às 11h20
DepositPhotos

Cientistas russos tinham em mãos um supercomputador e resolveram colocar em prática o que acreditavam ser uma grande ideia: minerar bitcoins. O problema é que a máquina poderosa estava equipada com um sistema de detecção e eles se deram mal.

Isso aconteceu no Centro Federal Nuclear de Sarov, onde está instalado o supercomputador, um dos mais poderosos da Rússia. Foi nessa instalação que a primeira bomba nuclear foi construída, ainda na extinta União Soviética.

O supercomputador, inaugurado em 2011, tem capacidade de 1 petaflop por segundo, o que o deixa como o 12º mais poderoso do mundo. É usado para investigações conduzidas pela Central Nuclear.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Os cientistas nucleares não perceberam que o supercomputador emite um alerta, por questões de segurança, quando conectado para minerar criptomoedas. Com isso, os serviços de segurança russos foram avisados da mineração e prenderam os pesquisadores.

Foco em bitcoin

Uma porta-voz do governo russo admitiu a mineração feita pelos cientistas para uso privado e disse que eles serão julgados.

A Rússia tem dado uma atenção especial às criptomoedas, tanto que deverá lançar a sua em 2019, a CryptoRuble. Bancos russos estão investindo em tecnologias de blockchain, enquanto o governo estuda meios de tributar os ganhos provenientes das moedas digitais.

Fonte: PPLWare

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.