Startup brasileira usa IA para identificar pneumonia causada pela COVID-19

Por Rui Maciel | 28 de Abril de 2020 às 16h15
Miguel Á. Padriñán/Pixabay
Tudo sobre

Google

Saiba tudo sobre Google

Ver mais

Uma startup brasileira chamada Portal Telemedicina desenvolveu uma solução para que clínicas e laboratórios possam identificar se um paciente está com uma pneumonia tradicional (viral ou bacteriana) ou causada pela COVID-19. O diagnóstico, que é complementar aos exames realizados atualmente (PCR e teste rápido), é feito por um algoritmo baseado em TensorFlow, um dos modelos de desenvolvimento de aplicações de inteligência artificial (IA) mais usados no mundo.

A tecnologia consegue comparar as imagens de raio-x ou tomografia de um paciente, usando um banco de dados de exames de pessoas que testaram positivo para o novo coronavírus. O processo de análise e classificação por inteligência artificial é realizado por meio da plataforma da Portal Telemedicina. Para isso, a empresa fechou um acordo com o Google, utilizando a infraestrutura de nuvem do Google Cloud (divisão de cloud computing da gigante de buscas) para armazenar os dados e processar o algoritmo.

Asolução foi desenvolvida durante três anos pela equipe da startup e contou com o auxílio de mentores do programa Google for Startups e de engenheiros do Google Cloud. Ela foi adaptada nos últimos dois meses e apresenta 95% de precisão, segundo seus responsáveis. Além disso, ela possibilita que, em cerca de 10 minutos, médicos possam apresentar o diagnóstico e direcionar o paciente para o protocolo de atendimento adequado.

Como a tecnologia funciona

O algoritmo foi treinado para buscar por alterações de imagem compatíveis com pneumonia causada por COVID-19. Em geral, o raio-X ou tomografia de pessoas infectadas pelo novo coronavírus apresentam imagens dos dois pulmões com manchas de aspecto semelhante ao de um “vidro fosco”. No caso de pneumonias tradicionais, as imagens têm manchas esparsas e bastante brancas. É por essas características que o algoritmo procura ao analisar o material.

“Por sua agilidade e custo baixo, o algoritmo será bastante útil para ajudar a lidar com a escassez de exames virológicos, já que ele oferece mais possibilidades de se analisar um número maior de pessoas e priorizar os casos mais graves”, afirmou Rafael Figueroa, cofundador e CEO da Portal Telemedicina. “Além disso, a plataforma permite que a equipe médica seja notificada rapidamente e o paciente encaminhado o quanto antes para o tratamento mais adequado, o que aumenta consideravelmente suas chances de recuperação e reduz o risco de contaminação, uma vez que o paciente é alertado imediatamente.”

Treinamento

Para que o algoritmo seja eficiente na identificação da pneumonia causada pela COVID-19, ele foi treinado a partir de um banco de dados com 300 imagens de raio-x e de tomografia de pessoas com diagnóstico confirmado para o novo coronavírus.

Figueroa afirma que uma versão do mesmo algoritmo já é usada há dois anos pela startup para diagnosticar pneumonia tradicional em raio-x e tomografias e foi treinada com mais de 30 milhões de imagens de pacientes. "Isso garante maior precisão da tecnologia, sendo que nós já realizamos mais de 1 milhão de diagnósticos a partir deste modelo desde 2018", declarou o executivo.

É importante mencionar que esta tecnologia do Portal Telemedicina não substitui o PCR ou teste rápido. No entanto, o diagnóstico de pneumonia por inteligência artificial é mais barato e acessível, complementando o exame virológico que pode não estar disponível naquele determinado momento. "Os resultados preliminares do uso do algoritmo apontam que é possível identificar a pneumonia causada por COVID-19 a partir de três dias da contaminação", continua Figueroa. "Com equipamentos de raio-x em abundância em clínicas, laboratórios e hospitais por todo o país, a plataforma da Portal Telemedicina pode ser usada mesmo em regiões onde o acesso à internet é limitado, já que compacta as imagens, classifica os casos de acordo com a gravidade e as envia para uma rede de especialistas em todo o Brasil e também no exterior", complementa.

Parceria de longa data com o Google

A Portal Telemedicina destaca ainda que o desenvolvimento de suas soluções passa por um longo histórico de parceria com o Google. Entre 2017 e 2018, a empresa participou de duas edições do programa Google for Startups Accelerator (antigo Launchpad Accelerator) , além do Google AI Studio - focado em projetos de Inteligência Artificial. A parceria ajudou a startup a aprimorar sua tecnologia de fornecimento de diagnósticos à distância, por exemplo, facilitando o atendimento a pacientes de regiões remotas da Amazônia. Antes disso, a startup já utilizava a nuvem do Google Cloud para encriptar os dados dos pacientes e armazená-los na nuvem.

“O uso da nuvem para um projeto como esse é fundamental já que, para treinar um algoritmo desse tipo, é necessário contar com alto poder computacional, além de escalabilidade para que a startup esteja pronta para atender a alta demanda por diagnósticos”, afirma Marco Bravo, head do Google Cloud para o Brasil. “Os engenheiros de Google Cloud trabalharam juntos com a Portal para ajudar a garantir alta precisão do algoritmo e ajudar a startup a fazer a diferença nesse momento delicado pelo qual passa o Brasil e o mundo.”

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.