Reclame Aqui migra para a nuvem do Amazon Web Services em busca de expansão

Por Natalie Rosa | 13 de Setembro de 2018 às 23h55
Reprodução

O site Reclame Aqui, no ar desde 2001, vai expandir os seus serviços e, para isso, decidiu migrar suas operações para a nuvem da Amazon, o Amazon Web Services (AWS).

A plataforma agrupa reclamações de consumidores sobre diversos produtos e serviços, permitindo o contato direto da empresa com o cliente para a resolução de problemas. Os dados atuais mostram que mais de 700 mil pessoas pesquisam sobre a reputação dos marcas todos os dias, chegando a 42 milhões de visualizações mensalmente. São mais de 240 mil empresas e 18 milhões de consumidores cadastrados.

Recentemente, o Reclame Aqui fechou parceria com a Rivendel Tecnologia, empresa de DevOps, para uma modernização em sua infraestrutura, fazendo a migração de um ambiente on-premise para a nuvem em quatro meses. O motivo da migração foi a instabilidade do modelo on-premise, principalmente em temporadas de grande demanda de visitas, como acontece na época da Black Friday: com o evento, o site chega a registrar cerca de 40 mil acessos diários, fazendo com que o Reclame Aqui seja um dos 10 sites mais acessados do Brasil.

Assista Agora: Saiba quais são os 5 maiores problemas das empresas brasileiras e comece 2019 em uma realidade completamente diferente.

Entre as mudanças, também foi implementada uma arquitetura de microsserviços com servidores diferentes para cada aplicação, com o objetivo de resolver instabilidades sem precisar tirar o serviço do ar. Com o serviço de nuvem da Amazon, as operações do site estão hospedadas em três data centers diferentes dos Estados Unidos.

O objetivo futuro do Reclame Aqui é levar o serviço para mais duas localidades, provavelmente para os Estados Unidos e algum país europeu. A estratégia do site também envolve o fortalecimento de sua reputação como desenvolvedora de serviços e softwares para o relacionamento com o cliente.

O site já conta com o HugMe, ferramenta para SAC 3.0, monitoramento de mídias sociais; e o Leegol, desenvolvido para a resolução de conflitos por meio de audiências de conciliação online entre as partes.

Fonte: TI Inside

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.