Suspeito de praticar “estupro virtual” é preso no Piauí

Por Redação | 10 de Agosto de 2017 às 17h33

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Piauí, um homem de 34 anos está preso há uma semana em Teresina, no Piauí, pelo crime de “estupro virtual”. Essa é a primeira vez que uma pessoa é detida por conta desse tipo de conduta no ambiente virtual.

Segundo o artigo 213 do Código Penal, é aplicada uma pena para quem obrigar outra pessoa a praticar qualquer tipo de ato de cunho sexual contra sua vontade, sob ameaça ou com o uso de violência. E, apesar de o crime ter acontecido virtualmente, a Justiça entendeu que o crime foi praticado mesmo assim. Conforme explicou o delegado Daniell Pires Ferreira, o acusado fez imagens de sua ex namorada nua enquanto dormia, criando um perfil falso em uma rede social e ameaçando divulgar as imagens caso a moça não enviasse mais fotos íntimas para ele.

Com medo de ter sua intimidade divulgada pelo ex-parceiro, a mulher de 32 anos acabou aceitando se masturbar usando vibradores e introduzir outros objetos em seus genitais, mostrando as imagens ao criminoso. Com isso, foi aplicada a penalidade para o caso de estupro. Ainda assim, o homem criou um segundo perfil falso com o nome da vítima, onde publicou todo o material, além de fotos do filho e da família da mulher.

Então, a vítima decidiu procurar a polícia, e, com uma ordem judicial, os investigadores descobriram o IP do computador do criminoso, descobrindo sua identidade real. Para o delegado, o que aconteceu “é um estupro ocorrido em ambiente virtual”, já que o homem obrigou a mulher a realizar práticas sexuais sob ameaça. “Ela foi constrangida mediante grave ameaça para manter o ato libidinoso. Isso caracteriza crime de estupro”, afirmou.

O homem ficará preso por 30 dias por ter confessado os atos, mas disse que só estava “brincando” com a ex namorada, pelo fato de ela não ter aceitado manter o relacionamento, que havia durado apenas duas semanas. O condenado atualmente é casado e pai de um filho de quatro anos, sendo que sua esposa está grávida. Em seu computador, a polícia ainda descobriu mais de 50 mil fotos de mulheres nuas, e agora uma outra investigação está sendo feita para avaliar se não há mais vítimas.

Fonte: Folha de S. Paulo