Publicidade

Pessoas constantemente atrasadas têm uma percepção diferente do tempo

Por| Editado por Luciana Zaramela | 03 de Abril de 2023 às 10h55

Link copiado!

Addictive_Stock/Envato
Addictive_Stock/Envato

Ao longo dos anos, a comunidade científica descobriu que o atraso frequente tem relação com alguns fatores, como percepção de tempo, gerenciamento de tempo e até personalidade. Uma das teorias é que haja um mecanismo no cérebro que faz com que essas pessoas se atrasem porque subestimam o tempo que levarão para chegar no lugar.

A região do cérebro que processa alguns aspectos do tempo é o hipocampo. É ele que nos ajuda a lembrar quando devemos fazer algo e quanto tempo leva. Assim, os neurônios dessa área contribuem para nossa percepção e memória de eventos.

Na prática, os especialistas acreditam que fazemos estimativas com base em quanto tempo achamos que levou para concluir aquela mesma tarefa no passado, mas nossas memórias e percepções nem sempre são precisas. No entanto, se tivermos muita experiência na execução de uma tarefa, é provável que subestimemos quanto tempo deve levar.

Continua após a publicidade

Atrasos podem ser reflexo da personalidade

Mas estudos anteriores já destacaram outras possíveis relações: uma experiência desagradável pode resultar numa percepção mais longa de tempo. Pesquisadores da revista Virtual Reality pediram aos participantes que estimassem a duração de uma simulação de viagem de metrô. O grupo cuja viagem estava cheia interpretou como o trajeto sendo 10% mais longo do que a realidade.

Outros estudos indicam, ainda, que a personalidade desempenha um papel no atraso: pessoas que costumam fazer várias coisas ao mesmo tempo têm menos probabilidade de lembrar e concluir outras tarefas agendadas no prazo.

Continua após a publicidade

Fonte: Nature Reviews NeuroscienceMemory & CognitionJournal of Experimental Psychology: General via Live Science