Crianças expostas à violência doméstica têm mais problemas neurológicos

Crianças expostas à violência doméstica têm mais problemas neurológicos

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 23 de Setembro de 2021 às 19h30
Prostock-studio/envato

De acordo com uma pesquisa publicada no Maternal Child Health Journal, crianças expostas à violência doméstica têm mais probabilidade de ter problemas de desenvolvimento neurológico, e isso vem desde o nascimento: se o bebê é exposto à violência de um dos pais, geralmente apresenta um desenvolvimento mais lento e resultados adversos durante o crescimento.

Para realizar a pesquisa, os autores coletaram amostras de 239 mulheres grávidas que foram vítimas de violência doméstica. Os pesquisadores acompanharam os bebês das mulheres por 12 meses após o nascimento, medindo seus riscos de atraso no desenvolvimento neurológico. Eles também examinaram quaisquer ligações entre esse atraso no desenvolvimento e o número de parceiros que a mãe teve durante os 12 meses. 

Eles descobriram que os filhos daquelas que tiveram um único parceiro abusivo durante a gravidez e nos 12 meses seguintes apresentaram maior risco de atrasos no desenvolvimento, enquanto aquelas com múltiplos parceiros apresentaram menor risco.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

(Imagem: Liv Bruce/Unsplash)

Os autores do artigo mencionam que quando os pais são mais violentos com suas parceiras durante a gravidez, acabam expondo o feto e afetando seu desenvolvimento ainda no útero por meio de alterações epigenéticas.

Ainda segundo essa análise, crianças expostas à violência doméstica têm resultados significativamente piores na vida, incluindo notas escolares e comportamentais, doenças e estresse. Os autores afirmam que é extremamente importante que as mães nessas situações sejam ajudadas da melhor maneira possível, para evitar danos a longo prazo não apenas para elas, mas também para as crianças. O estudo completo por ser acessado aqui.

Fonte: IFL Science

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.