Como a Teoria dos Jogos melhorou os apps de relacionamento

Por Carlos Dias Ferreira | 27 de Julho de 2018 às 16h31

Para o escritor Uri Bram, há uma “falha terminante” na dinâmica tradicional de aplicativos de relacionamento para heterossexuais. Além da desproporção usual entre usuários do gênero masculino e feminino – 60% e 40% do total, respectivamente -, as mulheres normalmente acabam com uma enxurrada de mensagens de teor desinteressante. Isso porque os homens não são apenas a maioria, mas também utilizam esses serviços com muito mais frequência.

“Chega ao ponto em que checar a caixa de entrada se torna uma tarefa desagradável”, escreveu Bram em uma coluna escrita para o site 1843 Magazine. É claro que o desconforto aparece de ambos os lados, já que os homens acabam tendo suas mensagens solenemente ignoradas. Mesmo algumas que poderiam cativar determinada dama acabam arrastadas pela correnteza de cantadas grosseiras e abordagens insossas.

Mas a resposta ao imbróglio não tardaria, surgida – pasme – de um tradicional ramo da matemática aplicada: a “Teoria dos Jogos”. Mais especificamente, da situação identificada como “Tragédia dos Comuns”.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A Tragédia dos Comuns

Originalmente popularizado pelo ecologista Garret Hardin, o conceito da Tragédia dos Comuns (ou Tragédia dos Bens Comuns) descreve um modelo em que indivíduos, agindo de forma independente e racional, segundo seus próprios interesses, acabam afetando negativamente a coletividade. Isso porque fazem esgotar um recurso comum.

“O exemplo clássico disso é a pesca em excesso”, escreve Bram. “Cada pescador, individualmente, é tentado a colher do oceano sempre um pouco mais, aumentando o seu quinhão – mas se todos os pescadores fizerem o mesmo, haverá uma diminuição na população de peixes, e todos vão sofrer no longo prazo.”

Tragédia dos Comuns: assim como não há infinitos peixes no oceano, também existe um número limitado de pares românticos possíveis em dating apps.

Limites para os Don Juans

Mesmo correndo o risco de soar sexista, Bram expõe o paralelo: a atenção (paciência) das mulheres, relativamente escassa, deve ser poupada, a fim de favorecer a todos os envolvidos. Seguindo ainda com a Teoria dos Jogos, seria muita ingenuidade acreditar que, espontaneamente, os usuários do sexo masculino deixariam – de bom grado – de bombardear as caixas de entrada das usuárias.

A solução, portanto, foi limitar as ações do público masculino. O app Coffee Meets Bagel, por exemplo, tornou-se conhecido pela política de conceder aos usuários apenas uma mensagem por dia – tendo posteriormente concedido mais algumas tentativas. Já o Bumble tem a regra exclusiva de que apenas a mulher pode enviar a primeira mensagem, embora reserve um período de apenas 24 horas para dar continuidade ao papo, antes que o contato seja perdido.

Para além do romance

Segundo Bram, o segredo é não baratear as interações; é fazer valorizar cada mensagem, cada nova tentativa. E isso não deve valer apenas para os romances virtuais. “No mercado de trabalho online, é trivialmente ‘barato’ submeter mais um currículo para determinado posto, de maneira que os empregadores recebem centenas de pretendentes inadequados para cada vaga aberta.”

A Teoria dos Jogos pode te ajudar a conseguir o amor da sua vida - e também um bom emprego. Em ambos os casos, o segredo é não "baratear" as interações.

Bem, nesta era interconectada e incrivelmente célere, quem sabe se não é mesmo a Teoria dos Jogos que dará aquela mãozinha na hora do flerte – seja com o futuro cônjuge ou com o RH de uma boa empresa? “Quando o amor indica o caminho, talvez as outras coisas sigam”, conclui Bram. Parece razoável.

Fonte: 1843 Magazine, Science Mag, New York Times

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.