Adolescente mata a própria mãe depois de ser proibido de jogar 'Call of Duty'

Por Redação | 06 de Maio de 2013 às 16h14

Mais um crime brutal chocou os moradores do estado norte-americano de Iowa. Noah Crooks, 14 anos, confessou ter assassinado sua própria mãe, Gretchen Crooks, depois de ela o ter proibido de jogar 'Call of Duty' por mais de três horas diárias. O adolescente disparou 20 tiros contra a vítima com um rifle calibre .22 e afirmou que tentou estuprá-la. A notícia saiu no Daily Mail.

O adolescente afirmou, após confessar o crime à polícia, que sua mãe o proibiu de jogar videogame depois que descobriu que suas notas na escola não estavam boas. O fato gerou um ataque de pânico e raiva em Noah, fazendo com que ele atirasse contra sua mãe. "Eu não estou brincando. Ela está morta. Estou assustado. Eu matei minha mãe com meu .22. Eu não sei o que fiz", afirmou em confissão. "Eu me sinto louco e eu não sou. Eu acho que eu tenho alguma forma de déficit de atenção. Eu tentei estuprar ela, mas não consegui. Quem tenta estuprar a própria mãe? Minha vida está acabada agora".

Garoto assassina mãe proibido jogar

Reprodução: Daily Mail

Após ligar para a polícia confessando o crime, o garoto enviou uma mensagem de texto para o seu pai afirmando que havia matado "acidentalmente" sua mãe. O paí, por sua vez, acreditou que se tratava de uma brincadeira do filho e respondeu à mensagem afirmando que ele deveria "atirá-la no mato". Ainda de acordo com o pai, Noah e a mãe costumavam discutir com frequência, mas também jogavam juntos. Aarma teria sido dada a ele pela própria mãe, quando fez 11 anos de idade.

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.