Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

IA Generativa e suas aplicações: boas e más

Por| 30 de Agosto de 2023 às 10h00

Link copiado!

Pexels/Pixabay
Pexels/Pixabay

Em conjunto com a popularização da inteligência artificial (IA) generativa e os GPT´s, veio a preocupação com a grande exposição de dados e com a segurança cibernética de forma geral. Pois, os invasores/atacantes também descobriram a IA e estão intensificando seu uso para orquestrar ataques cada vez mais sofisticados.

As aplicações da IA são as mais variadas nos ataques de segurança cibernética: vão desde a engenharia social automatizada com a criação de e-mails e mensagens persuasivas em larga escala, personalizando-os a cada vítima e, dessa forma, convencendo muitas delas, até a criação de vídeos, imagens e áudios falsos, conhecidos como deepfakes. Ainda, nos ataques de força bruta, são geradas amplas e eficazes combinações de senhas e credenciais, aumentando a assertividade de ataques desse tipo.

Então por que não pensar em usar a IA generativa para ajudar a assegurar os ambientes tecnológicos e os dados de empresas e pessoas?

Continua após a publicidade

Atualmente, é possível encontrar soluções que utilizam IA generativa para melhorar a detecção e prevenção de ameaças, bem como para aprimorar a resposta a incidentes. Essas soluções aplicam IA generativa em conjunto com outras técnicas de machine learning com objetivo de identificar padrões e comportamentos e ao mesmo tempo como uma fonte rica de consulta e estudo de métodos de defesa e ataque.

Atualmente, com soluções de IA generativa, é possível perguntar para a ferramenta “quais os pontos fracos da minha empresa?” ou “o que minha equipe de segurança precisa fazer para atualizar a rede?”. Com a ferramenta de IA, é possível fazer o trabalho operacional de forma ágil, deixando para ela a longa e complexa tarefa de pesquisa e análises.

Com esse ajudante digital, as equipes de segurança retomam para si o tempo para desenvolver estratégias mais assertivas e tomarem decisões mais precisas baseadas em diferentes fatores relevantes: em uma análise massiva de dados, histórico de ataques, modos de operação dos criminosos, entre outros. É uma questão parar de remediar e passar a prevenir.

Os invasores têm muitas maneiras e enxergam vários caminhos para causarem danos às organizações e às pessoas. Entretanto, escolhem como vítimas os ambientes mais frágeis e vulneráveis. Por isso, a relevância de trabalhar na prevenção de riscos e não apenas na remediação.

Mesmo com visibilidade da superfície de ataque, é difícil para as equipes de segurança realizarem análises, interpretarem as descobertas, identificarem quais etapas cumprir e em qual ordem de prioridade etc. Como resultado, as equipes de segurança estão constantemente em modo de reação, entregando o máximo esforço, mas sempre um passo atrás dos invasores.

A IA generativa chega para mudar esse cenário reativo. Seu poder está em reduzir a complexidade e orientar sobre próximos passos. Isso a fim de permitir que as equipes de segurança ganhem velocidade nas pesquisas, nas análises e tenham maior qualidade nas informações.

Arthur Capella é gerente-geral da Tenable no Brasil.