Os maiores erros da Fox com os X-Men no cinema

Por Gustavo Rodrigues | 18 de Maio de 2016 às 20h16

X-Men: Apocalipse chega aos cinemas brasileiros em 19 de maio, por isso decidimos fazer uma lista com os maiores erros cometidos pela 20th Century Fox para a franquia que encerra sua segunda trilogia de filmes. Temos problemas clássicos envolvendo os filmes solo do Wolverine, a adaptação ruim de uma ótima saga dos quadrinhos ao cinema, figurino e a ausência de representatividade que existe nas HQs.

Continuidade

Este é um grande problema que a franquia tentou consertar em X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido, mas não conseguiu. Há vários elementos falhos ao tentar unir a primeira trilogia de filmes dirigidos por Bryan Singer com o que Matthew Vaughn fez em Primeira Classe. A relação de Professor X e Mística não parece existir nos primeiros filmes, nenhuma aparição dos Sentinelas exceto na Sala de Perigo, formas de mutação do Fera, medo de altura do Wolverine que não está presente em todas as aparições do mutante canadense, etc.

Um ponto que realça o problema de continuidade é a cronologia da segunda trilogia se unindo a primeira. Primeira Classe é nos anos 1960, Dias de Um Futuro Esquecido nos 1970 e Apocalipse nos 1980, entretanto a idade dos personagens seria muito diferente do que é apresentado nas produções lançadas nos anos 2000. Professor X, Magneto e Fera deveriam ser muito mais velhos, mostrando que esse salto temporal de década entre as produções da segunda trilogia não foi uma ideia inteligente para unir todos os filmes. Os produtores já comentaram que desconsideraram X-Men Origens: Wolverine da cronologia, mas o medo de altura dele foi apresentado naquela adaptação e mantido posteriormente.

Origens e Imortal

Hugh Jackman foi colocado como protagonista dos filmes mutantes e se saiu bem como Logan, mesmo que eu não considere correto o mutante canadense com tanto destaque em tramas sobre a equipe do Professor X. Ele é o mutante mais popular dos quadrinhos, então é uma ideia inteligente pensando em bilheteria. Entretanto, os dois longas solo do Wolverine são bastante fracos.

Origens é falho em vários aspectos técnicos: roteiro, efeitos visuais, trilha sonora, etc. Não é por acaso que ele é um dos piores longas baseados em histórias em quadrinhos, principalmente pelos fãs que viram a atrocidade que transformaram o Deadpool.

Wolverine: Imortal não é ruim igual ao seu longa antecessor, mas ele é decepcionante. Os dois primeiros atos do filme funcionam realmente bem, mas todo o seu clímax se perde ao criar um Samurai de Prata robótico que destoa de todo o clima que a produção havia estabelecido anteriormente.

Wolverine 3 ainda não tem título, mas será para maiores de 18 anos e se passará no futuro, provavelmente baseado no arco Old Man Logan. Motivos mais do que suficientes para a adaptação abusar da violência que o personagem possui em suas histórias.

X-Men: O Confronto Final

Um dos arcos mais aclamados dos X-Men nos quadrinhos é A Saga da Fênix Negra, que foi muito mal adaptada em X-Men: O Confronto Final. X2 já havia estabelecido que Jean Grey (Fanke Janssen) poderia ter sobrevivido como a entidade Fênix ao salvar sua equipe no Lago Alkali. Entretanto, Bryan Singer preferiu abandonar o projeto e dirigir Superman: O Retorno, fazendo com que Brett Ratner assumisse o posto.

O longa é uma grande sequência de efeitos visuais desnecessários para tentar fazer com que um roteiro incoerente tente fazer algum sentido. Ciclope eliminado em poucos minutos de filme, origem dos poderes da Fênix muito diferente dos quadrinhos, pontas-soltas fracas, personagens colocados apenas como fan service fraco e para morrerem nas mãos da vilã, etc.

Foi um péssimo término para a trilogia original, principalmente por adaptar tão mal uma ótima saga dos quadrinhos. Mesmo que deixasse possibilidades abertas para uma continuação em suas últimas cenas, a Fox preferiu apostar em Primeira Classe, o que parecia um reboot da franquia.

Ciclope

Wolverine ser o o protagonista dos filmes é compreensível pelo apelo popular que o personagem tem, mas Ciclope, que junto a Jean Grey são os mutantes mais importantes da equipe, foi muito mal utilizado em todas as produções que apareceu. Não dá pra dizer que a atuação de James Marsden é o problema na trilogia original, já que o personagem foi rebaixado a alguém bem diferente dos quadrinhos.

Scott Summers foi reduzido a alguém chato pelo ciúmes excessivo entre Jean e Logan, com envolvimento baixíssimo com o Professor Xavier, dispensável e sem um pingo de liderança, uma de suas principais características. Já que a rivalidade entre Ciclope e Wolverine existe, o roteiro aproveitou para usá-lo apenas como o oposto do protagonista, o tornando completamente odiável.

Tye Sheridan interpreta a nova versão do Ciclope em X-Men: Apocalipse. Como os próximos filmes precisam renovar a franquia e direcionar uma melhor construção dos atuais novatos, o roteiro deve apresentar um Scott Summers mais próximo dos quadrinhos.

Uniformes

Pode parecer exagero reclamar dos uniformes que foram usados na maioria dos filmes dos X-Men, mas eles são fatores muito importantes como característica da equipe. O couro escuro apresentado no primeiro longa era compreensível para um público que ainda não estava acostumado com filmes de super-heróis, mas atualmente não faz muito sentido.

Hoje em dia, o público já está mais do que acostumado com este estilo de produção e os figurinos coloridos que elas possuem, como o colorido sintozoide Visão da Marvel Studios. Primeira Classe tentou dar mais cor ao universo mutante nos cinemas ao levar uma versão bastante próxima dos uniformes originais dos X-Men. Entretanto, X-Men precisar ser extravagante e até mesmo beirar o brega para diversificar ainda mais seus personagens.

X-Men: Apocalipse já teve alguns modelos de uniforme revelados em seu material de divulgação que se assemelham ao que é icônico nos quadrinhos, assim aproveitando que o longa se passa na década de 80. Como a próxima produção do universo mutante será nos anos 90, é muito provável que os uniformes ganhem ainda mais cores.

Ausência de Personagem Gay

X-Men sempre foi sobre minorias, independentemente de quais. O diretor Bryan Singer é gay assumido, mas nunca aproveitou o conceito do universo mutante para colocar um personagem homoafetivo nas histórias, o que soa bastante estranho. O elenco da trilogia original também possui dois atores gays: Ian McKellen e Ellen Page, Magneto e Kitty Pryde, respectivamente.

Há apenas uma cena que trabalha com o conceito, mas subjetivamente. A visita dos X-Men à casa da família do Homem de Gelo em X-2. A sequência tem o clima de conversa de alguém "saindo do armário" para a sua família, porém intensificada quando o irmão de Bobby Drake discorda dessa visão.

O próprio Homem de Gelo foi recentemente revelado gay nos quadrinhos, o que fez o ator Shawn Ashmore ser questionado sobre a possibilidade de voltar ao personagem com este novo viés, já que ele foi relacionado a Vampira e Kitty Pryde nos filmes. O universo mutante tem vários personagens homossexuais, sendo Estrela Polar e Mística os mais populares. O velocista canadense fez parte do primeiro casamento gay da Marvel Comics, enquanto a transmorfa sempre foi bissexual, algo que rendeu o relacionamento de Raven com a vilã Sina.

Você concorda com estes erros? Acha que eles não prejudicam a franquia mutante? Citaria algo mais? Conte pra gente nos comentários.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.