O Show de Truman — Os 20 anos de um filme que estava apenas começando

Por Sihan Felix | 04 de Julho de 2018 às 12h05

Há 24 anos, Jim Carrey não havia alcançado grande destaque nos cinemas. Sua carreira se resumia a alguns papéis coadjuvantes (como em Meu Amante é de Outro Mundo, de 1988) e a filmes realizado para TV. Foi justamente em 1994 que a carreira desse que é um dos comediantes mais queridos da história do cinema foi catapultada. Nada menos do que três filmes de grande bilheteria tiveram o protagonismo de Carrey: Ace Ventura: Um Detetive Diferente, O Máskara e Debi & Lóide: Dois Idiotas em Apuros. O primeiro custou 11 milhões de dólares e arrecadou 107 milhões (quase 10 vezes mais); o segundo teve o orçamento em 18 milhões e a bilheteria em 351 (quase 20 vezes mais); e aquele Debi & Lóide custou 16 e arrecadou 247. E isso em se falando somente de bilheteria de cinema.

Mas o ator não era exatamente querido pelos colegas de elenco. No ano seguinte (1995), quando interpretou o Charada no espalhafatoso Batman Eternamente, muitas críticas em todo o mundo citavam a dificuldade que era controlar os trejeitos e maneirismo de Carrey. De fato, ele surgira ao estrelato após um ano incomum para alguém ainda sem grande expressão, o que aparentemente internalizou a máxima do Stanley Ipkiss ao utilizar a máscara: “Que demais!” (na versão brasileira).

O Máskara (Imagem: Playarte Pictures)

Mais dois filmes vieram antes de Jim Carrey dar sinais de que poderia ser um ator versátil: Ace Ventura 2 — Um Maluco na África (1995) e O Pentelho (1996). Assim, foi em 1997, com O Mentiroso, que o ator nascido no Canadá conquistou algumas das suas principais críticas positivas. O saudoso Roger Ebert, um dos maiores críticos norte-americanos, escreveu em seu texto sobre O Mentiroso: “I am gradually developing a suspicion, or perhaps it is a fear, that Jim Carrey is growing on me. Am I becoming a fan?” — Em tradução livre: “Eu estou gradualmente desenvolvendo uma suspeita, ou talvez seja um medo, de que Jim Carrey está crescendo em mim. Eu estou me tornando um fã?”

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O Mentiroso (Imagem: Universal Pictures)

Em 1998, chegou a vez dele (Carrey) interpretar Truman Burbank. Para alguns, era uma escolha muito arriscada do diretor Peter Weir. Para outros, como Ebert, o ator era “uma escolha surpreendentemente boa” porque ele tinha o poder de deixar o público confortável apenas com a sua presença.

Na verdade, era uma escolha bem premeditada pelo diretor, visto que ele havia escolhido outro comediante para o papel principal em seu filme mais famoso até então: o excepcional Sociedade dos Poetas Mortos (de 1989), construindo uma das mais bonitas atuações de Robin Williams.

Sociedade dos Poetas Mortos (Imagem: Disney / Buena Vista)

Enquanto a escolha de Peter Weir acabaria cedendo ao seu ator protagonista a chance de trabalhar com grandes diretores de forte veia dramática nos anos que viriam — como Milos Forman (no excelente O Mundo de Andy), Frank Darabont (em Cine Majestic) e, mais tarde, na obra-prima escrita por Charlie Kaufman, Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças —, também ajudou a transformar o seu filme em um marco. O Show de Truman passou a ser citado como um filme revolucionário e a ser constantemente lembrando como uma das melhores ficções científicas já realizadas. A conceituada revista Popular Mechanics, dedicada à ciência e à tecnologia e publicada nos EUA desde 1902, classificou a obra de Weir como uma das 10 mais proféticas da história.

O Show de Truman (Imagem: Paramount Pictures)

Não é de se espantar. Enquanto O Show de Truman era lançado, surgiam os primeiros reality shows de confinamento pelo mundo. Aqui no Brasil, por exemplo, No Limite (o primeiro do país) estreou em 2000, com o Big Brother em sua versão nacional estreando no ano seguinte. Esse tipo de programa tornou-se uma febre, espalhando-se ao redor do mundo como uma pandemia.

Após 20 anos da sua estreia, TTruman continua sendo uma das melhores e mais significativas personagens de Jim Carrey. Isso se deve, especialmente, à atemporalidade do que é visto. A sátira afiada sobre a espetacularização do ser humano, sobre o capital acima da humanidade, sobre o comércio ser o real consumidor de tudo.

Essas definições rimam diretamente com o próprio nome do personagem. É como se o roteirista Andrew Niccol estivesse revelando todo o essencial de sua história apenas com o batizado. Truman, no caso, é a aglutinação das palavras “true” e “man”, que significam “homem verdadeiro” e Burbank, o sobrenome, é uma citação direta à cidade Burbank, capital da mídia no mundo, que fica em Los Angeles.

Niccol, ainda, é um especialista em sci-fi, tendo lançado um ano antes o ótimo Gattaca — Experiência Genética (filme que dirigiu além de escrever). Portanto, unindo Niccol, Peter Weir e sua veia para o drama e Jim Carrey em sua melhor forma cômica, O Show de Truman é uma inusitada comédia dramática de ficção científica que, muito jovem, alcançaria o status de clássico.

Gattaca — Experiência Genética (Imagem: Columbia Pictures)

As mensagens do filme vão desde as mais simples às mais possivelmente ocultas: da crítica a um capitalismo desenfreado que lida com uma única vida e se põe acima desta — vide as marcas que alguns personagens fazem questão de ressaltar — ao fato de que é comum aceitar tudo ao redor sem ao menos checar. Faz parte da rotina? Então é normal e está certo. Esse erro, que qualquer um pode cometer diariamente, tem mais outra face: a libertação dos hábitos. Assim, mostra-se com naturalidade o dia-a-dia de Truman, com seus cumprimentos aos vizinhos pela manhã, sua ida diária ao jornaleiro, seu encontro com uma dupla que, jogando conversa rápida fora, apenas o posiciona em frente a uma grande propaganda colada na parede e seu trabalho.

Aliás, em meio a tudo isso, estão os espectadores daquele reality show, que acompanham o moço há mais de 30 anos e, há muito tempo, apenas observam a sua rotina. A repetição da vida de Truman apenas reflete a repetição a qual aqueles que o assistem se submetem. E é esse poder de hipnotizar de grudar o espectador frente à TV, que muitos realities shows reais viriam a ter.

O Show de Truman (Imagem: Paramount Pictures)

Por mais que o roteiro tenha uma progressão previsível — é óbvio desde o início que Truman descobrirá que seu mundo é uma grande farsa —, o caminho percorrido pelo texto de Niccol e a maneira através da qual Weir vai soltando as descobertas é de muita inteligência. Junta-se a isso o ar de humana vilania que Ed Harris cede ao seu Christof — cheio de uma afeição paterna que, até poucos minutos do final, não se sabe se é pelo Truman (que ele viu crescer) ou pelo show em si —, e a crueldade da construção de um psicológico afetado por traumas — especialmente aquele que implanta a morte do pai por afogamento e o faz ter pavor de água.

É assim que O Show de Truman não somente conta uma história, mas consegue causar reflexão até mesmo em quem esteja assistindo despretensiosamente. Talvez essa abrangência e significação da obra se deva à união entre três profissionais tão diferentes, o que possibilita uma abertura muito maior de ideias e termina em um resultado leve e ao mesmo tempo denso; pesado e que consegue fazer rir; faz refletir ao mesmo tempo em que entretém e descansa. Um universo na cabeça de um alfinete.

Ainda, a implicação com o futuro foi quase imediata. Se antes eram vistos atrizes e atores, esportistas do primeiro escalão ou até mesmo políticos mais comentados (pelos mais variados motivos — e o mais comum todos conhecem) nas TVs, pessoas comuns (eu, talvez você e tantas outras pessoas) poderiam alcançar a fama em um passe mágico: a participação em um reality show.

E isso, como em O Show de Truman, é extremamente rentável. É sabido que a televisão e o cinema há tempos sofrem com uma grande crise criativa. Os postos de criação estão sendo abandonados e os postos técnicos preenchidos. Hoje, a técnica no cinema salta aos olhos muito antes da história e da sua substância. Mas isso é requerido pela indústria. O mundo vive hoje um boom de velocidade. Tudo precisa ser dinâmico. As séries passam de 50 minutos para 20; programas na internet que antes tinham 20 agora precisam ter cinco.

Nesse sentido, a TV tem uma fome quase que insaciável por material. Então, nada mais barato do que, por exemplo, trancafiar gente como a gente dentro de uma casa, levar até lá, de vez em quando, um artista (geralmente em decadência — porque são os menos caros) para fazer um pocket show e, ao mesmo tempo, abrir vídeo e áudio para que todos assistam.

Dentro disso, há o processo de identificação também: não são atrizes, não são atores que estão ali, são pessoas comuns com as quais é socialmente admissível criar laços mais palpáveis. Guardadas as proporções, é o sentimento da representação negra (que tão bem fez o blockbuster Pantera Negra), da representação feminina (como em Oito Mulheres e Um Segredo), só que é, no final das contas, a representação da personalidade, uma possível resposta espelhada sobre quem se é lá no fundo.

Isso é genial. O problema é que essa mesma televisão é justamente como o Christof de Ed Harris: implacável e estrategicamente financeira. As subcelebridades de um reality show nada mais são do que conteúdo para a sua grade (da emissora), mas um conteúdo barato em horário nobre e com a certeza de milhões de telespectadores vidrados. Nos comerciais desses programas, vê-se somente as marcas que podem pagar melhor. O horário é caro. Muita gente assistindo e assistir a algo antes de dormir é um passo para fixar o que se viu. Devora-se, dessa maneira, vidas e segredos.

O Show de Truman (Imagem: Paramount Pictures)

Saindo dali, é mais renda: a ida a outros programas da emissora causa furor. E, logo depois, aquelas pessoas, gente como eu e talvez você, são esquecidas. No final, paga-se um milhão para o vencedor (um valor irrisório para o lucro obtido depois de tudo — e antes de mais algum) e voilà, tem-se uma das rendas mais cruelmente legais do show biz. Citando Christof: “Você é real, por isso gostam de assisti-lo.”

É para lá — para a realidade — que Truman vai, para a saída, para o fim. O Show de Truman não se limita a responder sobre o futuro do seu protagonista. Ele (o filme) está disposto mesmo a perguntar, a construir dúvidas, a causar reflexão. Não é à toa que, após décadas dentro da cidade fictícia de Seahaven (outra aglutinação: “sea” é mar e “haven” é abrigo), o provável verdadeiro abrigo de Truman esteja ali, numa porta aberta no fictício céu, no paraíso (“heaven”).

O Show de Truman (Imagem: Paramount Pictures)

Ou, de repente, para aquele homem que jamais foi amado de verdade — recém-nascido abandonado de uma gestação indesejada, criado por pais de mentira, casado com alguém que apenas finge ter alguma consideração e confiando em um melhor amigo que nada mais é do que a personagem de um ator —, o fruto da saída é justamente o amor: um amor que ele pensa estar distante, em Fiji, lá na Oceania, mas está bem ali, correndo para, enfim, ceder-lhe muito mais do que um milhão, muito mais do que o dinheiro pode pagar.

O Show de Truman (Imagem: Paramount Pictures)

“E, para o caso de não nos vermos mais: Bom dia, boa tarde e boa noite!”

O Show de Truman (Imagem: Paramount Pictures)
Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.