Malasartes e O Duelo com a Morte: filme brasileiro cheio de efeitos especiais

Por Redação | 04.08.2017 às 07:25

Um novo filme está escrevendo seu nome na história do cinema nacional: Malasartes e O Duelo com a Morte é o longa brasileiro com maior número de cenas construídas digitalmente. Ao todo, são 700 planos com efeitos especiais, o que corresponde a 50% de sua duração.

Um time de 100 artistas da O2 Pós, um braço da produtora O2 Filmes dedicado a pós-produção e efeitos especiais, trabalhou durante dois anos para criar o universo de fantasia que conta a história do folclórico personagem Malasartes (Jesuíta Barbosa).

A importância dos efeitos especiais no longa pode ser facilmente traduzida em números: R$ 4,5 milhões do orçamento total de R$ 9,5 milhões foram dedicados ao trabalho de pós-produção.

“A primeira dificuldade deste trabalho foi o volume de cenas. Além disso, o filme conta com inúmeros elementos de magia produzidos pelo departamento de efeitos especiais. Equalizar essa sequência toda foi um trabalho de composição muito desafiador”, explica Paulo Barcelos, diretor da O2 Pós.

Chroma key foi um dos artíficios usados para criar o clima de magia do filme (Imagem: Divulgação / O2 Filmes)

A equipe precisou construir digitalmente alguns dos atores, incluindo Jesuíta Barbosa, Julio Andrade, Vera Holtz e Leandro Hassum. Além disso, no trailer também podemos ver uma cena em que o protagonista contracena com mais de um milhão de velas que foram animadas e reagem aos movimentos do ator.

Toda essa produção foi usada como artifício para narrar a história de Pedro Malasartes, um gaiato que vive de pequenas trapaças no sertão, mas que um dia precisa usar sua esperteza para se livrar de dois problemas: impedir que sua irmã Áurea (Isis Valverde) namore um sujeito como ele e ainda driblar a própria Morte encarnada (Julio Andrade), que quer tirar férias e enganar Malasartes.

Malasartes e o Duelo com a Morte tem direção de Paulo Morelli e estreia marcada para o dia 10 de agosto.