Tardígrados e lulas bioluminescentes serão enviados para experimentos na ISS

Tardígrados e lulas bioluminescentes serão enviados para experimentos na ISS

Por Wyllian Torres | Editado por Patrícia Gnipper | 28 de Maio de 2021 às 18h50
Jamie Foster/University of Florida

Na próxima semana, a NASA enviará para a Estação Espacial Internacional (ISS) cerca de 5.000 tardígrados (conhecidos como ursos d'água) — aquela minúscula criatura conhecida por sua incrível resistência — e 128 filhotes de lulas bioluminescentes, ou seja, que produzem luz. Os pequenos seres que farão parte de dois estudos na ISS. O lançamento será feito pela SpaceX e está marcado para o próximo dia três de maio, partir das instalações do Kennedy Space Center, na Flórida, às 14h29 (horário de Brasília).

Os tardígrados, também conhecidos como ursos-d'água, embora sejam criaturas minúsculas — medindo cerca de 1 milímetro —, são incrivelmente resistentes às situações das mais adversas. Não é à toa que esses pequenos organismos chamam a atenção dos cientistas, os quais buscam compreender suas propriedades biológicas. Um tardígrado pode sobreviver à radiação extrema, a altas pressões a até mesmo ao próprio vácuo do espaço. Por isso, astronautas a bordo da ISS esperam identificar quais genes específicos são responsáveis por essas incríveis características e, quem sabe, obter pistas sobre o comportamento da saúde humana em futuras missões espaciais de longa duração.

Um tardígrado registrado por microscópio de varredura (Imagem: Reprodução/NPS/Diane Nelson)

O professor assistente de biologia molecular, Thomas Boothy, da Universidade de Wyoming, envolvido na pesquisa, explica que uma das capacidades de sobrevivência do tardígrado consiste em secar, congelar e depois ser aquecido em altas temperaturas. “Eles podem sobreviver milhares de vezes mais radiação do que nós e podem durar dias ou semanas, com pouco ou nenhum oxigênio", acrescenta. Vale lembrar que, recentemente, os ursos-dágua foram submetidos a um teste de disparo onde os pesquisadores procuraram avaliar até que ponto esse organismo pode sobreviver a fortes impactos.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Outro estudo, que também será desenvolvido nos próximos meses, envolve uma espécie de lula Bobtail. Medindo cerca de 3 mm, essa criatura possui um órgão especializado para a produção de luz em seu corpo e, dentro dela, existem bactérias bioluminescentes responsáveis por produzir o brilho. Os pesquisadores procuram entender a relação simbiótica desses organismos em condições de microgravidade. "Animais, incluindo humanos, dependem de nossos micróbios para manter um sistema digestivo e imunológico saudável", explica Jamie Foster, microbiologista da Universidade da Flórida e principal investigadora da pesquisa chamada Understanding of Microgravity on Animal-Microbe Interactions ("Entendendo a microgravidade nas interações entre animais e micróbios", na tradução literal).

Filhotes de lula bobtail (Imagem: Reprodução/Jamie Foster/University of Florida)

A lula Bobtail nasce sem a bactéria, mas vai adquirindo ela através do oceano ao seu redor. Da mesma maneira, os pesquisadores só adicionarão as bactérias às lulas depois que chegarem à ISS, pois, assim, eles podem observar as relações simbióticas dessas duas espécies se estabelecendo no espaço. Com isso, a equipe pretende descobrir quais são os genes responsáveis por essa dinâmica e adaptações. Tanto as lulas quanto os tardígrados chegarão à estação orbital em estado de hibernação.

Fonte: ScienceAlert

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.