Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Qual é o melhor cheiro do mundo? Cientistas têm a resposta!

Por| Editado por Luciana Zaramela | 04 de Abril de 2022 às 18h55

Link copiado!

eugene-zhyvchik/unsplash
eugene-zhyvchik/unsplash

Qual é o melhor cheiro do mundo? Foi essa a questão que motivou um estudo publicado nesta segunda-feira (4) na revista científica Current Biology. Para respondê-la, uma equipe de pesquisadores da Karolinska Institutet (Suécia) analisou as respostas de 235 pessoas diante de uma série de experiências olfativas.

Essas 235 pessoas, integrantes de nove diferentes culturas, tiveram que classificar cheiros do mais ao menos agradável. Segundo o artigo, esses critérios que envolvem o consenso geral sobre o que é considerado um cheiro agradável ou desagradável vão além de fatores culturais. Em outras palavras, as pessoas ao redor do mundo classificam diferentes odores de maneira semelhante, sem importar o lugar de origem.

A agradabilidade do odor pode ser prevista pelas propriedades físico-químicas das moléculas, conforme afirma o artigo. Com base nisso, depois das 235 classificações, os cientistas chegaram ao suprassumo dos aromas: baunilha. Não significa que tenha sido o cheiro favorito da maioria dos participantes, mas sim universalmente classificado de maneira positiva.

Continua após a publicidade

Qual o pior cheiro do mundo?

O outro extremo da escala de aromas é representado pelo ácido isovalérico, que recebeu uma unanimidade de classificações negativas. Esse ácido pode ser encontrado em alimentos como leite de soja e queijo, mas também no suor dos pés, por exemplo.

A conclusão do estudo é que existe um grau de aceitação universal sobre quais odores são bons e quais são ruins, mas existem diferenças individuais. Os pesquisadores acreditam que essas discordâncias entre grupos provavelmente têm a ver em parte com a estrutura molecular, mas são mais fortemente influenciadas pelo aprendizado ou por conta da composição genética.

Continua após a publicidade

"Os seres humanos compartilham sistemas sensoriais com um modelo anatômico comum, mas a experiência sensorial individual varia", apontam os pesquisadores.

Fonte: Current Biology