Lêmures Indri podem cantar com ritmo, bem semelhante aos humanos; ouça!

Lêmures Indri podem cantar com ritmo, bem semelhante aos humanos; ouça!

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 13 de Maio de 2022 às 21h15
MatthewWilliams-Ellis/Envato

Não são apenas os humanos que conseguem produzir músicas dignas de apreciação: os lêmures indri também conseguem. Essa espécie é a primeira, além de nós, a conseguir cantar com ritmo e estrutura musical — e por conta disso, protagonizou diversos artigos científicos, um deles publicado na revista Current Biology, por exemplo.

Dito isso, pesquisadores já desbravaram as selvas de Madagascar (onde a espécie costuma viver) com equipamentos para gravar as melodias, que são reconhecíveis a mais de 1,5 quilômetro de distância. Os cientistas defendem que, apesar de parecerem confusas à primeira impressão, com o tempo é possível reconhecer um padrão.

Depois de comparar a extensão dos intervalos, os autores do artigo descobriram que os cantos costumam ter relações rítmicas de 1:1, ou seja, quando os intervalos entre os sons têm a mesma duração, ou 1:2, quando o primeiro intervalo tem metade do tempo do segundo. São ritmos muito comuns na música produzida pelos seres humanos.

Ao todo, o estudo conseguiu reunir a gravação de 636 cantos, justamente com a ideia de identificar esse ritmo. E já que a essa altura você provavelmente está curioso para saber como é o canto desse animal, aqui está um vídeo:

O estudo também permitiu perceber que machos e fêmeas cantam a tempos diferentes, mas com os mesmos padrões rítmicos. Os lêmures indri também são capazes de manter uma cadência constante à medida que o ritmo da melodia em questão diminui, processo muito usado na música clássica.

A teoria dos autores desse estudo é que essas canções podem representar um chamado para que as famílias se organizem quando precisam defender seus territórios. Os cientistas ainda alertam que existe uma urgência para se manter os esforços de conservação desses primatas.

Fonte: Current BiologySmithsonian Magazine, Scientific American

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.