Cientistas identificam gene responsável por cabelos grisalhos

Por Redação | 03 de Março de 2016 às 11h15

Pela primeira vez, os cientistas identificaram genes específicos ligados a características físicas como cabelos grisalhos, densidade da barba e as chamadas monocelhas. A novidade é resultado de um estudo dos genomas de mais de 6.000 latino-americanos e pode ajudar a reconstruir a aparência de uma pessoa com base em seu DNA — algo extremamente útil na medicina forense e antropologia.

Eles descobriram que o chamado gene IRF4, por exemplo, está associado ao cabelo branco, bem como à produção de melanina, o pigmento que determina a cor dos cabelos e dos olhos. É importante ressaltar que a presença desses genes não garante uma característica específica, mas a torna muito mais provável. "Não é como se você tivesse um [gene] variante, que te dá a certeza de ter cabelos grisalhos. Ele, basicamente, aumenta suas chances em relação à população em geral", explica Andrés Ruiz-Linares, professor de biociências da Universidade College London e coautor do estudo.

As descobertas também podem influenciar disciplinas de perícia criminal e até mesmo antropologia, sugerindo como reconstruir a aparência física de alguém a partir do seu DNA. Este é o caso específico dos genes Foxl2 e PAX3, que o estudo descobriu estar associado às monocelhas e barbas fartas.

A ascendência dos voluntários que participaram do estudo é altamente mista, sendo 48% deles ascendentes de europeus, 46% de indígenas e 6% de africanos. Este deve ser considerado um ponto importante, uma vez que estudos anteriores se baseavam em voluntários europeus, o que representava apenas uma pequena parcela da diversidade humana.

Ruiz-Linares diz que 15% dos europeus possuem o gene IRF4, mas ele não foi encontrado nos indígenas. Acredita-se que o gene possa ser usado para alterar a cor do cabelo enquanto ele ainda está em formação no folículo — e não apenas depois que ele cresce. "A identificação desses genes apresenta novos alvos que a indústria pode querer explorar", disse o pesquisador.

Via The Verge

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.