Cérebro e IA: cientistas se unem para desvendar origem da consciência

Por Nathan Vieira | 29 de Outubro de 2019 às 17h05

Um dos maiores mistérios da atualidade está em vias de ser mais desbravado: a consciência. E não apenas na forma humana, dentro do nosso cérebro, como também nas interações entre máquinas. Afinal, a IA (Inteligência Artificial) se evoluiria ao ponto de adquirir uma consciência? Para responder a essa pergunta, primeiro é necessário entender de onde brota a consciência no cérebro das pessoas.

Voluntários terão sua atividade cerebral examinada enquanto realizam uma série de tarefas inteligentemente projetadas, sob a premissa de descobrir a origem física do pensamento consciente do cérebro. A primeira fase dessa "batalha" foi lançada esta semana na conferência anual da Society for Neuroscience em Chicago, que atrai mais de 20 mil neurocientistas a cada ano.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Segundo o Dr. Anil Seath, neurocientista da Universidade de Sussex, em Brighton, no Reino Unido, a luta se concentra mais em onde e por que a consciência emerge, com as teorias crescendo cada vez mais a cada ano. Com o surgimento de máquinas cada vez mais semelhantes a humanos, a necessidade de entender a consciência é especialmente notável. A IA pode estar consciente? E a conscientização das pessoas durante e após a anestesia? Como podemos medir de forma confiável a consciência nos fetos dentro do útero da mãe — uma questão complicada alavancada nos debates sobre o aborto — ou nos animais? Mesmo que o projeto não produza uma solução definitiva para a consciência, levará os cientistas leais aos diferentes corredores teóricos a falar e colaborar.

"O que esperamos é um processo que reduz o número de teorias incorretas. Queremos recompensar as pessoas que são corajosas em seu trabalho, e parte de ter coragem é ter a humildade de mudar de ideia", diz Andrew Serazin, presidente da Templeton World Charity Foundation (TWCF), que está patrocinando o projeto em questão.

Projeto coloca em "confronto" as teorias em torno da origem da consciência

O projeto espera abordar quase uma dúzia das principais teorias em torno da origem da consciência. Mas os dois primeiros no debate também são os mais importantes: um é a Teoria do Espaço de Trabalho Global, defendida pelo Dr. Stanislas Dehaene, do Collège de France, em Paris. Segundo essa teoria, o comportamento consciente surge quando podemos integrar e segregar informações de várias fontes de entrada — por exemplo, olhos ou ouvidos — e combiná-las em um dado em um espaço de trabalho global dentro do cérebro. A outra é a Teoria da Informação Integrada, proposta pelo Dr. Giulio Tononi da Universidade de Wisconsin em Madison. Essa teoria aponta que a consciência surge da interconexão intrínseca e mensurável das redes cerebrais. Sob a arquitetura correta e as características conectivas, a consciência emerge.

Para testar as ideias, seis laboratórios em todo o mundo farão experimentos com mais de 500 pessoas, usando 3 tipos diferentes de registros cerebrais, conforme os participantes realizam vários testes relacionados à consciência. A Templeton World Charity Foundation vê o projeto como um passo largo. "É a primeira vez que uma colaboração tão audaciosa e contraditória é realizada e formalizada no campo da neurociência", diz Serazin.

Fonte: Singularity Hub

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.