Cientistas produzem material 'mais preto que o preto'. Entenda!

Por Redação | 15 de Julho de 2014 às 07h45

O preto deixou de ser apenas uma cor na lista das preferidas de muitas pessoas e se tornou uma novidade científica misteriosa.

Cientistas da empresa britânica Surrey NanoSystems desenvolveram um material tão negro que absorve 0.035% de luz visual, o que marca um novo recorde mundial de material mais escuro já produzido pelo homem. O revestimento é feito com nanotubos de carbono que são 10 mil vezes mais finos que um fio de cabelo humano e a proximidade entre os nanotubos é tão pequena que as partículas de luz não conseguem passar por ele. Assim, a luz fica projetada ao ser redor até ser absorvida, segundo as informações do jornal Independent.

A sensação ao olhar para o objeto, chamado de Vantablack, é tão curiosa que as formas e os contornos se perdem, restando apenas um abismo aparente. Por exemplo, se a superfície fosse projetada no formato de um vestido, seria possível ver apenas o que seria um abismo em forma de vestido e quem estivesse olhando teria a impressão de cabeça e membros formando partes desconexas e flutuantes.

O diretor técnico da empresa, Ben Jensen não quis revelar o custo do material. No entanto, sugeriu que seria muito cara a produção mesmo de uma peça de tamanho médio, como um vestido.

Vantablack

O Vantablack pode ajudar a tornar mais eficazes câmeras astronômicas, telescópios e sistema de digitalização de infravermelho. Ele teria aplicações nas câmeras de calibração usadas para fotografar objetos antigos do Universo. Há também recursos para usar o material para fins militares, mas neste caso a empresa não comentou de que forma isso aconteceria.

O material tem resistência dez vezes superior ao aço e uma capacidade de conduzir calor sete vezes e meio maior que o cobre.

Para o professor de ciência da cor, Stephen Westland o novo preto é algo “fora do comum”. Ele diz que não existia nada que pudesse ser comparado com um buraco negro, mas que o Vantablack é quase tão preto como o que se pode obter e que se aproxima do que poderíamos imaginar de um buraco negro.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.