Bowers & Wilkins atualiza alto-falante Zeppelin com suporte à Alexa

Bowers & Wilkins atualiza alto-falante Zeppelin com suporte à Alexa

Por Vinícius Moschen | Editado por Wallace Moté | 15 de Outubro de 2021 às 16h10
Divulgação/Bowers & Wilkins

A Bowers & Wilkins, marca britânica de dispositivos de áudio, lançou a nova versão de um de seus alto-falantes mais famosos, o Zeppelin. Em comparação com a geração anterior, ele não traz nenhuma revolução em qualidade de som ou design, mas a companhia decidiu atualizar o produto com suporte para Alexa e AirPlay 2, além de ter retirado quase todas as entradas físicas, voltando-se para um funcionamento sem fio.

Visual do Zeppelin permanece ousado e com grandes dimensões (Imagem: Divulgação/Bowers & Wilkins)

O visual do dispositivo permanece bastante chamativo, com design que faz jus ao nome dos speakers, uma referência ao dirigível alemão do século passado. Portanto, ele ainda tem um formato oval e dimensões grandes, para acomodar vários componentes de alta qualidade na parte interna. No total, o produto tem um par de tweeters de uma polegada, dois drivers de 3,5 polegadas para frequências médias e um subwoofer de seis polegadas para os graves — no total, o Zeppelin oferece até 240 W de amplificação.

Componentes internos permanecem semelhantes a gerações anteriores (Imagem: Divulgação/Bowers & Wilkins)

A cada atualização do Zeppelin, a Bowers & Wilkins costuma trazer mais opções de conectividade, mudando bastante a forma de usar o produto desde a sua primeira versão de 2007, que tinha uma dock para encaixe de iPods. Em 2011, o speaker trouxe suporte para o AirPlay, enquanto em 2015 ele começou a ter compatibilidade com AptX Bluetooth e Spotify Connect. Agora, a companhia aumenta ao máximo a sua característica wireless, já que a nova geração teve a entrada 3,5 mm retirada, e portanto não pode mais ser utilizada com um cabo auxiliar. 

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Em compensação, o Zeppelin oferece compatibilidade com vários formatos de áudio sem fio com alta qualidade, como o AAC e SBC. Já o aplicativo próprio da marca traz suporte para vários outros serviços de streaming de conteúdos, como o Deezer, Qobuz e Tidal. Apesar de funcionar com a Alexa, ele não recebe comandos do Google Assistente, e não tem Chromecast embutido para transmissão por um toque em smartphones ou outros dispositivos móveis.

As únicas entradas físicas que restaram consistem na fonte de energia e uma porta USB-C (Imagem: Divulgação/Bowers & Wilkins)

O speaker poderá funcionar em conjunto com outros dispositivos da marca de forma sincronizada, por meio de uma atualização de firmware que será lançada no início do ano que vem. Porém, de acordo com a Bowers & Wilkins, não será possível usar o Zeppelin como um componente de um sistema surround — ainda que ele traga som estéreo de forma nativa. 

O novo Zeppelin também dispensa o controle remoto que acompanhava o produto na caixa em versões anteriores — o que também mostra a intenção da marca de concentrar os comandos em smartphones ou outros dispositivos similares conectados.

Mesmo assim, ele tem alguns botões na parte traseira para ajuste de volume e outros recursos mais simples. Ele também traz uma entrada USB-C, mas ela serve mais para transferência de energia do que para reprodução de músicas. Uma característica que pode incomodar os mais preocupados com a privacidade, é a falta de uma forma de mutar o microfone da Alexa, que permanece captando todos os sons de forma ininterrupta.

Preço e disponibilidade

Botões na parte traseira controlam volume e status da conexão (Imagem: Divulgação/Bowers & Wilkins)

O speaker será vendido em dois tons de cinza — um mais claro e outro escuro — com um preço sugerido de 799 dólares (cerca de R$ 4.381 em conversão direta). A marca espera que a nova geração do Zeppelin traga novamente os tempos de glória do produto, algo que não é visto há mais de dez anos. 

Fonte: The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.