Como fotografar o pôr-do-sol

Por Caroline Hecke | 04 de Agosto de 2014 às 09h20
photo_camera Caroline Hecke

Você está em frente a um lindo pôr-do-sol, prepara a câmera e dispara: o que era um cenário perfeito vira uma imagem muito escura ou iluminada demais, com uma mancha redonda no meio. Se você se identifica com essa situação, já pode preparar seu equipamento e ler este artigo. Depois disso, suas fotos no final da tarde nunca mais serão as mesmas.

Por onde começar

Antes de tudo, você precisa ter uma câmera com modo de controle manual, caso contrário, você depende apenas da forma como o próprio equipamento interpreta as imagens captadas - o que geralmente cria resultados distantes do esperado, além de poder gerar aberrações nas imagens.

Caroline Hecke

Como o sol vira o assunto principal da fotografia, é preciso subexpor a imagem para garantir que o astro apareça na imagem. Imagem feita com lente EF75-300mm; f/5.6; ISO 100; velocidade 1/125. (Imagem: Caroline Hecke)

Enquanto uma fotografia normal geralmente precisa ter a exposição perfeita para ficar boa, quando o sol está se pondo tudo muda. Agora, é preciso subexpor a foto, já que o sol será um dos pontos principais da imagem - e sua luz é extremamente forte.

Para saber controlar sua câmera, você precisa primeiro ter algumas noções básicas de fotografia. Se você ainda não domina termos como ISO, abertura do diafragma e velocidade de exposição, clique aqui e confira o nosso manual para saber tudo sobre fotografia. Se você já domina as técnicas, é hora de colocar a mão na massa.

Compondo sua imagem

A primeira regra para fotografar o pôr-do-sol é a paciência. Embora você possa ter uma ideia do horário em que ele começa a se pôr, o melhor de tudo é se planejar com antecedência: já saiba em qual local você vai fazer os cliques e aproveite para chegar mais cedo - cerca de uma hora antes já é o suficiente.

Enquanto espera, prepare seu equipamento e descubra os melhores ângulos para fazer as imagens, já calculando a trajetória do astro no céu. Lembre-se que, assim que o sol começa a se pôr, ele some rápido do horizonte, portanto, você precisa ser veloz e não pode perder tempo com detalhes. Esteja preparado apenas para fazer as fotografias.

Caroline Hecke

Na foto, o nascer do sol foi aproveitado para evidenciar o skyline da cidade. (Imagem: Caroline Hecke)

Embora o sol e as nuvens em si já criem um bom cenário para fotografar, você pode contextualizar a imagem e mostrar também os elementos ao seu redor. Assim, sua imagem ganha mais elementos únicos, valorizando ainda mais o trabalho.

Se você quer fotografar alguém ou algum objeto em frente ao pôr-do-sol, você precisa desistir do flash, caso contrário a imagem mostrará apenas o primeiro plano ou o plano de fundo, já que a exposição deveria ser diferente para cada elemento captado. Ainda assim, o flash provavelmente dará um aspecto artificial para a imagem, algo que pode diminuir consideravelmente a beleza da fotografia.

Caroline Hecke

Nuvens e árvores formam uma moldura interessante para a luz do sol. (Imagem: Caroline Hecke)

Por isso, na hora de mostrar objetos, a melhor alternativa na maioria dos casos é optar pelo contraluz, o que vai garantir silhuetas marcantes nas imagens. Na hora de compor a imagem, também lembre-se da regra dos terços, mas não faça com que ela seja uma lei absoluta. Quando se trata de imagens do sol se pondo, você pode centralizar o assunto sem medo, pois a imagem pode ganhar ainda mais expressividade.

Entendendo a luz

Quando você já estiver com tudo pronto, é hora de testar as configurações de sua câmera. Não existe uma fórmula exata para isso e o importante é que você tenha em mente o tipo de resultado que espera, para configurar o equipamento da maneira correta.

Como a luz do sol é extremamente forte, você pode usar um ISO baixo, como o 100, deixar o obturador bastante fechado e trabalhar com velocidades médias de abertura. Mas tudo depende do momento do pôr-do-sol em que você está fotografando.

Caroline Hecke

Mesmo sem o sol no cenário, a iluminação ainda pode render alguns bons cliques. (Imagem: Caroline Hecke)

Conforme a luz tem sua intensidade diminuída, você deve ajustar também as configurações do seu equipamento, garantindo assim que as imagens estejam balanceadas conforme a necessidade de cada etapa do anoitecer.

De uma maneira geral, deixar o balanço de branco no automático é o suficiente, porém, com cores mais fortes e tons avermelhados, seu equipamento pode errar na hora de fazer os ajustes. Modos como Luz do Dia podem ser ideais em alguns equipamentos, porém, podem deixar as imagens com baixo contraste em outros. Por isso, o melhor é que você conheça bem a sua câmera ou faça testes rápidos antes de começar a clicar para valer.

Lembre-se mais uma vez: o principal instrumento na hora de clicar o pôr-do-sol é a paciência, então não tenha pressa para ir embora. Quando o sol estiver terminando de se “esconder”, pode ser a hora perfeita para fazer imagens com as nuvens ainda mais avermelhadas ou alaranjadas.

Se você estiver em uma cidade, aproveite para explorar as luzes dos prédios e carros que aparecerem por perto. Somando isso ao visual criado pelo sol, sua imagem pode ficar ainda mais bela.

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.